Olá vizinhos e vizinhas!

O jornalismo mundial é assim como uma cidade – tem muitos habitantes, comunidades, serve vários usos e objetivos, tem os seus personagens e lugares, as suas figuras e figurões. Na semana passada (até domingo) o jornalismo mundial reuniu-se numa cidade: em Perugia, para o Festival Internacional de Jornalismo, o mais democrático dos congressos, para debater o estado da arte.

A Mensagem esteve em Perugia (a Catarina, a Catarina e o Nuno), de onde trouxe inspirações e inquietações que partilhamos convosco:    

  • O jornalismo com futuro é o que ouve e está integrado nas suas comunidades. O jornalismo só existe se servir as pessoas – ou então, não serve para nada. Isto implica estar presente, não pode ser de toca e foge. “Estar lá”, como dizia Shirish Kulkami, editor do britânico Bureau of Local Investigation que está a iniciar um projeto chamado People’s Newsroom. Ele usa mesmo a palavra “carinho”. Só assim pode compreender o que o rodeia, ser útil e inspirador.
  • O jornalismo que vale a pena é cada vez mais pago por quem o consome. Todos os exemplos inovadores vão neste sentido. O espanhol El Diário, digital, uma cooperativa, “tem 60% de receitas vindas diretamente da audiência”, disse a administradora, Rosalía Lloret. “É a única forma de fazer face às pressões dos políticos e anunciantes”. Isto, para Alan Rusbridger, ex-diretor do The Guardian e membro do Reuters Institute, é positivo: “o desaparecimento das receitas publicitárias força o jornalismo a focar-se nas necessidades dos leitores. Estamos a aprender histórias inspiradoras de como o jornalismo se reposiciona como um bem público.”
  • O jornalismo tem de expressar a diversidade da comunidade. Seja “de quem conta a história, seja de como conta, seja a quem a conta”, disse Wafaa Albadry da Deutsche Welle. Já chega de jornalismo da bolha, para a bolha (política/económica).  
  • O impacto de uma publicação não se mede só em cliques. Há vidas mudadas, cidades conhecidas, histórias partilhadas. E, lá está, um sentimento de pertencer a qualquer lado.
  • A tecnologia é um meio para muitos fins e, no jornalismo, isso deve ser aproveitado para a) interagir com a comunidade de várias formas b) tornar as histórias mais interessantes. Há muitas e variadas formas de contar histórias que o digital alarga.  

Em traços largos, foi muito isto o que se discutiu em Perugia. Três palavras-chave que determinam o curso do jornalismo, dos pequenos aos grandes meios: comunidade, diversidade, digital.

De Perugia, trouxemos mais ideias, que em breve os nossos vizinhos e vizinhas vão ser convidados a experimentar. Muitas têm a ver com o que já fazemos – ou tentamos fazer – e que confirmámos ser o caminho mas interessante, no jornalismo. Venham ou continuem connosco nesta aventura!

De Perugia, com carinho!

— Catarina Carvalho, Catarina Reis e Nuno Mota Gomes

🎥 VÍDEO: Assista aqui aos testemunhos de especialistas nos media em projetos de jornalismo local e comunitário. 🙂

Almirante Reis. “É preciso pensar a avenida para quem caminha – agora, até a iluminação é para os carros”

Local de passagem de milhares de pessoas todos os dias – a pé, de bicicleta, transportes públicos e automóvel -, a Avenida Almirante Reis vai sofrer uma reformulação profunda. Liga a Baixa de Lisboa ao […]

Lisbon Players: o regresso da mais antiga companhia de Lisboa onde se faz teatro em inglês

Elizabeth Bochmann costumava espreitar pela cortina do Estrela Hall para ver a mãe, Celia Williams, representar em inglês, a língua que aprendera em casa. Aos 11 anos, e depois de muito insistir, pisou o palco […]

Habitação em Lisboa: “Os jovens já não procuram uma casa, mas sim espaços comunitários”

A habitação em Lisboa: o principal problema da cidade? Rendas altas e cada vez menos gente a morar no centro, e a mudar-se para a periferia. A dificuldade (se não mesmo a impossibildade) para os […]

Árvores de Lisboa em risco? Há uma epidemia de cancro do lódão na cidade

No Bairro Alto, o Miradouro de São Pedro de Alcântara deixará de contar, progressivamente, com a sombra estival de oito imponentes Celtis australis, comummente conhecidos como lódão-bastardo. Fazem parte de um património vegetal lisboeta em […]

Juntar o mundo à mesa. Há uma cozinha em Lisboa que quer mudar “o sistema torto e injusto” da gastronomia

O “molho castanho” já Dulce Silva o faz de cor. O filho mais novo reconhece-o apenas pelo olfato e a história da Guiné-Bissau conta-se com ele no paladar. A tradição dá-lhe outro nome: Caldo Mancarra, […]

O forno que deu a volta ao mundo para realizar o sonho de Hari: abrir um restaurante nepalês em Lisboa

O personagem desta história nasceu na Índia, pesa 350 quilos e é conhecido pelo temperamento bastante fogoso. Normalmente relegado à cozinha, escondido dos olhos dos clientes, este forno tandoor ganhou lugar de destaque num restaurante […]

Correr Lisboa, e depois, quiçá, o mundo, de bicicleta

Crónica de Cláudia Lucas Chéu

Para quem tem filhos pequenos e vive no centro de Lisboa, as bicicletas não são […]

O melhor argumento a favor da bicicleta: dá prazer andar

Crónica de Vasco M. Barreto

A origem da popularidade actual da bicicleta em Amesterdão é trágica: em 1971, o uso […]

Em Lisboa, a namorar

Lisboa, com a sua luz singular, foi desde sempre uma cidade boa para namorar. Em […]

Contribua para a Mensagem

Um ano depois, graças à Mensagem, Lisboa e os lisboetas conhecem-se melhor. Sabemos mais histórias, conhecemos melhor os nossos heróis da cidade
e a sua História, temos menos zonas de sombra.

Para que possamos continuar a fazer este trabalho de jornalismo de proximidade, consigo, precisamos do seu apoio. Dê a sua contribuição para que este projeto possa crescer e fortalecer-se, a bem de Lisboa e dos lisboetas.

Já nos segue nas redes sociais?