Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Na kurason di linha di Sintra, na Queluz Belas, dia di Diogo Ferreira ta kumesa ku un lista diversififikadu di música ki ta bai di afropop pa kês klásiku di música afrikanu. Bu ta obi reggae, Burna Boy, Mayra Andrade, mas també kantor gabunês ki dja dexa mundu, Oliver Ngoma.

Ê dentu di kel mistura di tudu lingu, ku son, dentu di kês ritmu di badju di áfrica ku mundu interu, ki Diogo, kel fazidor di rasta ta trabadja. Kel moda di rasta ou dread locks – ki torna kunhesidu i pupular na mundu interu pamodi Bob Marley – sta kada dia, mas pupular. Na Lisboa dja ês konsigui forma um kumunidadi ki sta ta bira, kada dia, mas grandi. I ê ka tudo ês ki ê rastafari.

Diogo ta atendi un monti di klienti ki ta bem di un monti parti di Purtugal, alén di Lisboa. Ê ta trabadja na un ofisina ki ê disgobedja, na um tipo di kusinha di asosiason, ta atendi ku si ekipa dôs klienti di un bês. Ku gudja di renda na mó, ku djêtu ê ta ba ta faci un a un ti ki ê ta kaba.

Média é di oitu ti dozi klienti por dia i “ta dipendi di tamanhu i di tipo di manutenson ki ês kré” flâ Diogo, ki ta konjuga si trabadju di kosi rasta ku di futógrafu – atualmenti ê teni un sposison di futografia na Muséu di Sintra.

“Tem guentis ki ta fasi rasta di raís, nta fasi kuatru a cinku por semana” garanti Fábio Évora, ki ê fundador di Madlocks kulega de Diogo i dono di “salon”, na sedi da Asosiason “Pendão em Movimento”, undi ki ê ta trabadja ku vuluntariadu, na kel bairu ki ta fika na Queluz-Belas.

Ê ka só ku kabelu bedju ki ta fasedu rasta. Tudu kumesa na rilijion rastafári – rilijion judaiko-kriston ki surgi na dékada di trinta na Jamaica, ki sês símbulu ê dreads (rasta), Lion di Judá, Strela di Davi ku Reggae – ma hoji ê di kem ki kré.

Kem ki ta usa rasta podi ser rastafári ou nau. Branku, pretu, ou asiátiku, guentis famosu, gentis ki ninguen ka konxi, tudu algén podi tem rasta i na Lisboa ten, kada dia más, un monti di salon ki ta spisializa na kel stilu di pentia kabelu.

Fábio tem si tesi: “Antis de Kristu, na um monti kau, ka ta isistiba penti, i nôs ante-pasadu tinha kabelu si, natural. Ma sima tudu na vida ta ivului, hoje nu tem um monti di técnica di fasi rasta, ki ê ka só pa kabelu bedju, pamodi ê ta uni gentis di áfrika ou nau”.

Fábio, ki ê disendenti di kauberdianu i ki torna rasta pamodi sê pai i sê irmon mas grandi, ta flâ ma kel stilu di pentia kabelu ta kria spiritu de kumunidadi “ami undi ki nta passa si n’odja algén di rasta, nta kria un ligason ku el. Ta cria mas posimidadi”

Diogo, pur isemplu ê branku. El també éra rasta, ma pa “diskansa si koru di kabesa” ê korta sis dreads ki fasêba pa tudu alguén konxel na kumunidadi. “N’ta kontinua ser rasta dentu mi” ê fla, ta ri.

Modi ki tudu kumesa

Na Lisboa, pa nu konta stória di moda rasta nu podi rakua ti anu di 1998, pa fala di David ku Moisés, dôs di oito fidjus di un intelectual guiniensi, funcionário di Banku Nasional di Guiné Bissau, ki bem pa  Purtugal na un barku sima refujiadu ki fuji di géra pulitiku-militar ki kontici na kel altura na Bissau.

Ês tinha seti ku dez anu, kantu sês pai ku sês mãe flas mas ês tinha ki sai di kasa na kel hora, ku ropa di korpu. “Pa nôs foi un aventura grandi” fla David, kel mas grandi. Na kumeso foi komplikadu na scola, ka pamodi língua, ês ta papiaba purtugês dretu, ma pamodi ês sufri txeu pa adapta a un rialidadi susial diferenti.  “tinha ken ki ta tchomaba mi di pretu, ma nta flaba el: “ami ê ka pretu, ami ê castanhu!” ê flâ ta ri. *

Moisés Vaz, pioneru di movimento rasta na Purtugal, fundador i sósio di Kubico Rastafari. 

David bai pa Algarve ê bira futógrafu i rialisador di imagen. Moisés bai pa Spanha sigi si sonhu di ser djugador di futebol. Futebol ka kori dretu i na 2013, dipôs di un problema na juêlio ê volta pa Purtugal i ê fika moradu na kasa di un algén di família, enkuantu ê staba ta recupera di un operason. I foi na kêl altura ki ê disidi ma ê ta kumesa fasi tratamento di rasta. “Nlembra di kuma npidi nfermera un papel ku un kaneta pa nkirbi ideias di kuma ku ‘nmisti ba fasi nha kau di kumpu rasta” fla Moisês na si krioulo di Guiné.  

Ê torna odja si irmon David ki volta di Algarvi, ê funda “Kubico Rastafari” na janero di 2013 na Lisboa, linha di Sintra, koncretamenti na Monti Abraão, Queluz. Ês kria logo un página di Facebook undi ki ê ta prumoveba sês trabadju. Moisés konta ma “foi muito duro na altura, pabia n’ta tarbadja ba mas di ki dez hora pur dia” ma muto faxi, ês cria sês kumunidadi di jovens ki ta fasêba rasta.

David ta akredita ma sê irmon tevi un papel fundamental na popularisa rasta na Purtugal. Si nogós, ki gosi ê di ês dôs, bira grandi ki atualmente Moisés ta dividi si ténpu entri Purtugal ku Luxemburgo undi ki, alén di pentia, ê ta forma gentis na técnicas di fasi rasta ku empreendedorismo. Na lisboa, na salon nobu ki ês abri na Queluz, David ta koordena sês equipa i ê ta trabadja na stratéjia di benda.

David Vaz, irmon di Moisés gestor de bendas i redis sosial di Kubico Rastafari . Foto: Inês Leote

Na kumeço David ka leba konvite di si irmon mutu a sériu. Afinal, “hora ke n’odjaba gintis di rasta na rua, nin nka ta nota ba kuma kila ta kumpudu nan, nunka nka pensa nés.” Foi si irmon ki tevi kel vison, i ki pidil pa ê fasi panfletu. Kantu ê aseita kel disafiu, si irmon mas nobu dja tinha um monti klienti.

Ês ta organisaba iventus ku artistas ki ta sirbiba de sês influensiador. Loreta ku Vado Mas Ki Ás “staba desdi di kumsada ku nôs, i nô ta kumpu ba elis kabelu”, ês konta. Ês aposta na benda digital i na redi sosial – muto sentradu na kês ideia di David, i ês ta fazeba formason na bairus ku problema, ta mostra kel ladu cultural más umanitáriu. Ês ta konxêba Moisés na rua, ês cria un logotipo ku conseito ki ta djunta gentis – kelâ ten tudu a ver ku sês ideia desdi kumeso.

“Nô identidade sta sentradu na ke ku nô sedu. Nunca no ka findji kuma anôs i rastafari, ou kuma nô tene un dieta vejetarianu mindjôr di ki di nô bisinhus. Ideia, desdi kumsada, i era ba tissu baluris di umanidadi, i buska sedu bon isemplu na óra di usa plataforma rastafari pa nô rapati ku guintis kussas bom di muvimentu” flâ David.

Ês abertura ê pamodi parti kumersial: si ês tornaba Rastafári (ras tafari) ês ta fitxaba tudu kel parti sosial i não só na negósio, pamodi, un salon specialisadu na tratamentu di rasta ka pôdi ten tendensia rilijiosu. Ideia era di abrasa tudu algén i di djuntâs dentu di kel kumunidadi ku un monti di cultura ku rilijion. I foi kela ki kontisi.

https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2021/12/MVI_2944.mp4
Vídeo: Inês Leote

Ta buska mas representatividadi na luta kontra prekonseitu

“Otcha nkumsa, i tem ba prekonseitu txiu, mas aós nô sta na vensi pa durba barera e nsta kontenti manera ku n’paga nha kinhon” flâ Moisés. kel stereótipu ma ser rasta ê sinónimu di ser drogadu, sujo ou marginal ki jera tantu diskriminason “kela ta kabadu ku el si tiver mas gentis ku rasta, i kela dja sta ta kontici” ta koncorda Diogo Ferreira, apisar di ê ta flâ ma “inda tem um monti algén ta trabadja di rasta, ma sukundidu di públiku.”

Tudu ês ta atxa ma visibilidadi ku representatividadi tudu dôs ê mutu inportanti pa konbati prekonseitu. Un isemplu: Claúdio França, pivot pretu di Sic, rasta, divia parseba mas. Entri kes klienti ki ta djuda divulga sês imagen, sta djugadoris sima Joelson Martins, David Tavares, i artistas T. Rex, Plutónio e Julinho KSD – tudu ês ta da sês rostu pa kel kumunidadi.

Cláudio Reis, o pivot da SIC que é rasta. Foto: Sic

Tudu kela ten a ver ku manera ki aumentu di kel kumunidadi interkultural rasta podi kontribui pa luta kontra rasismu- até pa manera ki ê ta djunta tudo kes kulturas ku diferensas. Diogo flâ ma “rasta ta representa Áfrika i ki a partir di mumentu ki gentis di otrus kulturas ta adiri, ês ta kebra ku un monti di prekonseitus”. Fábio ta fasi nota ma “un monti di algén ta flâ ma ê apropriason kultural”, ma el ê ka ta konkorda. “Si n’odja algén branku ou di Ásia ku rasta, nka ta xinti ma ês sta ta apropria di nha kultura”

Diogo flâ ma objetivu “ê bai, além di periferia, alarga ti centro di Lisboa i spandi pa mas kulturas ki ta bisita cidadi. Si tem representatividadi na sentru di Lisboa nu pôdi kebra inda mas o prekonseitu pamodi rasta ka ta muda un pesoa. El ê kel ke êl ê, ku rasta ou sem rasta”.

Fábio bai mas fundo i ê flâ ma “rasta ê un forma di manifesta ku mas condison i feramenta, ma ser rasta ka ê un kusa negativu” i ê ta akredita ma si trabadju sta ta kontribui pa dismistifika kel stereotipu. “nteni klientis ku más di 50 anu ku rasta. També ntene pais ki ta trazen sês fidju  i ki muda sês vison pamodi nta fasi kiston di papia ku ês sobri técnicas ki mi nta usa i ki ta pôs ta odja ma ê un trabadju limpu ki ta mesti prudutus, as bês mas karu ki produtos normal. N’kré pa susiedadi pára di djôbi di ladu pa kén ki ta usa rasta i kén ki ta usal di manera sertu tem un papel inportanti na ês prosesu”.

David flâ mâ ê ka ta akredita ma simplismenti ta djuda iradika rasismo si usadu rasta, ma ê ta akredita ma podi kriadu ponti ou ligason i kelâ sin, pôdi kontribui pa midjôra situason. “Si um purtuguis branku dicidi kuma i na faci rasta, tudu manera i pudi odja kin ku kana setal el na família, ma si fasíl, dipus di i kaba, kilas pudi bin odja kuma na bardadi i ka un mau kussa” ê kabanta. 

Ti gosi ka tem nen un asosiason rasta, nen un kau kumun di papia i di kosertason, mas fladu ma també ka tem nen un rivalidade na meio di kês ki ta trabadja ku rasta. “Nu ta da dretu i si un dia nu tiver ki papia, npensa ma ta ben ser un bon konbersu”, Diogo ki flâ.   

Ivuluson di tecnicas

Kem ki adiri moda di rasta na anus setenta, oitenta ku noventa, ou ti na anus dos mil, sabi ma têvi un grandi ivuluson. “keli ê nha terceru rasta pamodi nka konxêba técnica di gudja” flâ Fábio.  “Nha kabelu ka ta pegaba pamodi ê mas finu, i um amigo sem speriênsia di meu ki inxinan. Kel ki hoje nta fasi na três hora, antis di nkonxi técnica, nleba três mês ta fasi. Dipôs di nprendi, gentis kumêsa ta pidin pa nfasês. Si ki n’komesa. Nmuda txeu di la pa li”

Un parti di tudu keli ê pamodi formason, mas també ten un trabadju di integrason sosial. Fábio kumesa si prujetu nun inkubadora di asosiason di bairu undi ki inda ê ta trabadja, ma ê sta ta ben abri un kau nobu e kêl atual ta ben sirbi di inbubadora pa nobus projetus di stética di kel zona, pa fumenta mas empreendedorismo. Moisés ta forma gentis dentu ku fora di Purtugal, i ê ta flâ ma da jovens formason ê si “orgulho mas garandi”: “I odja kuma n’inspira manga di jovens pa ê tene un profison.”

Pa Moisés, ki na kumesu di 2013 ka konxêba txeu, kês nobu tecnologia di rasta, ideia di inxina kumesa kantu parci interesi di un di sis klienti pa prendi. Ê kumesa ta transmiti tudo ki ê sabeba ku métudu ki ê ta desgobedjaba i na poku tenpu ê tinha un equipa di 5 algen formadu. Só di un ano pa li ki ê dicidi ma ê ta rialisa formason mas prufisional alen-frontera, i ê passa ta didica tenpu ta forma jovens, di un manera mas metodiku i ku mas esperiênsia . “N’sina kuma pa bu ricibi bu ten ku da. I nsta kontenti ku és” ê flâ.

Pa tudu ês, trabadja ku rasta ê rentável, ê ta gera inpregu, i ê ta dâ pa opaga kontas. Fábio kré spandi si negócio i ê sta bem abri brevimenti un salon nobu. “Ma n’kré ten un kadeia i nta konsigui” ê garanti.

Klientis ka falta, jovens, gentis grandi, bedjus, gentis di tudu kultura i mudjeris di kumunidadi afrikanu ki “ alén di kumpu kabelu ê diskubri kuma és i un identidade”. Futuru di rasta sta garantido i ê podi ben ser un ponto di apoio i di visibilidade di un kumunidadi mas misturadu i multliplu.  

*Esta reportagem foi escrita em crioulo de Cabo Verde, exceto as falas de Moisés e David, que estão no crioulo guineense, como no original. Está integrada no projeto em crioulo da Mensagem, apoiado pela bolsa Newspectrum. Pode ler tudo aqui.


Em Queluz, o rasta é o penteado contra os preconceitos. E um bom negócio.

Viagem ao mundo dos dreadlocks na linha de Sintra, com alguns dos artistas e pioneiros que tornaram a inclusão um assunto que começa no cabelo.

Foto: Inês Leote

Bem no “coração” da linha de Sintra, em Queluz Belas, o dia de Diogo Ferreira começa com uma playlist diversificada que vai do afropop aos clássicos da música africana. Ouve-se, além do reggae, Burna Boy e Mayra Andrade, e também o saudoso cantor gabonês Oliver Ngoma.

É nessa mistura plurilinguística e fonética, de ritmos vibrantes de África e do mundo, que trabalha Diogo, o fazedor de rasta. A moda do rasta ou dread locks nos cabelos – como é mundialmente conhecido o estilo popularizado pelo mítico Bob Marley – está cada vez mais difundida. E em Lisboa ganhou uma comunidade que cresce dia após dia. E não é necessariamente rastafari.

Diogo atende uma diversidade de clientes que vêm de Portugal inteiro, além da própria metrópole. Trabalha num atelier improvisado numa copa, dois clientes de cada vez. Com uma agulha de crochê na mão e muito jeito vai construindo rasta a rasta até que se conclua o trabalho.

A média é de oito a doze clientes por dia e “depende do tamanho e do tipo de manutenção que se quer” diz Diogo, que conjuga o trabalho de tratador de rasta e o hobby de fotógrafo – atualmente com fotografias expostas no Museu de Sintra.

“Há quem faça rastas mesmo de raiz, faço cerca de quatro a cinco semanalmente” garante Fábio Évora, que é o fundador da Madlocks, colega de Diogo e dono do “salão”, na sede da Associação “Pendão em Movimento”, onde também trabalha como voluntário, no bairro em Queluz.

Não só de cabelos crespos vive o rasta. O penteado surgiu por motivos religiosos – Rastafari é uma religião judaico-cristã que surgiu na década de 1930 na Jamaica e cujos símbolos são os dreads, o Leão de Judá, a Estrela de Davi e o Reggae – mas hoje é de quem quiser.

Quem usa rasta pode ser ou não rastafari. Brancos, negros ou asiáticos, famosos e anónimos, todos podem ter rasta e em Lisboa, há cada vez mais salões em todo o lado que se especializaram nesse estilo.

Fábio tem a sua tese: “Antes de Cristo, em muitos lugares, não existia pente e os nossos antepassados já o usavam naturalmente. Mas como em tudo na vida há evolução, hoje existem várias técnicas de tratamento de rasta e não são só para cabelos crespos. O rasta une pessoas africanas ou não.”

Fábio, que é descendente de cabo-verdianos e se tornou rasta por influência do pai e do irmão mais velho, diz que, pelo contrário, o cabelo ajuda a criar uma sensação de comunidade. “Por onde passo, se vejo um rasta, crio logo um laço. Há mais proximidade.”
Diogo, por exemplo, é branco. Também já foi rasta, mas para “descansar o couro cabeludo” cortou os longos dreads pelos quais se tornou conhecido na comunidade. “Continuo a ser rasta por dentro” diz, a rir.

O início do rasta

Em Lisboa, a história da moda rasta pode recuar até 1998, aos irmãos Moisés e David Vaz, dois de oito filhos de um intelectual guineense, funcionário do Banco Nacional da Guiné-Bissau, que vieram para Portugal de barco como refugiados, fugidos do conflito político-militar que aconteceu na altura em Bissau.

Tinham sete e dez anos respetivamente quando os pais os informaram que teriam de sair imediatamente de casa, praticamente com a roupa do corpo. “Para nós foi uma grande aventura” conta David, o mais velho. No início foi complicado na escola, não em termos linguísticos, porque já falavam português, mas porque sofreram para se adaptar a uma nova realidade social. “Havia quem me chamasse de preto, mas eu dizia: “não sou preto, sou castanho!”, conta a rir.

Moisés numa das suas fotos de promoção.

David foi para o Algarve tornou-se fotógrafo e realizador. Moisés seguiu o sonho de ser jogador de futebol e foi para Espanha. O futebol não correu bem e, em 2013, após uma lesão grave, regressou a Portugal e ficou hospedado na casa de um familiar enquanto recuperava de uma cirurgia. Foi nessa altura que decidiu iniciar o tratamento das rastas… “Lembro-me que pedi um papel e uma caneta à enfermeira, para anotar as ideias de como gostaria de ter o meu espaço de fazer rastas” conta.

Reencontrou-se com o irmão David que voltou do Algarve e fundaram o “Kubico Rastafari”, em janeiro de 2013, em Lisboa, na linha de Sintra, concretamente no Monte Abraão, em Queluz. Criaram logo uma página no Facebook onde promoviam o negócio. Conta Moisés que “foi muito duro na altura, porque trabalhava cerca de dez a doze horas por dia”, mas rapidamente criaram uma comunidade de jovens que usavam e tratavam de rasta.

David acredita que o irmão teve um papel fundamental a popularizar o rasta em Portugal. O negócio dele, que agora é de ambos, cresceu tanto que atualmente divide o tempo entre Lisboa e Luxemburgo onde, além de fazer penteados, dá formações sobre técnicas e empreendedorismo. Em Lisboa, no salão novo que abriram em Queluz, David coordena a nova equipa e trabalha na estratégia de marketing.

David, um dos fundadores da profissionalização do rasta em Queluz. Foto: Inês Leote

David no início não levou a sério o convite que o irmão lhe fez. Afinal, “quando via uma pessoa de rasta na rua, nem reparava se estas eram tratadas ou não”, nunca tinha pensado nisso. Foi o irmão que teve a visão e que lhe pediu para fazer flyers. Quando aceitou o desafio, o mano mais novo já tinha vários clientes e técnicas à maneira dele.

Organizavam eventos com artistas que funcionavam como influenciadores. Loreta e Vado Mas Ki Ás “estiveram desde o início e tratávamos os seus cabelos”, conta. Apostaram no marketing digital, e nas redes sociais – muito centrados na inspiração, ideias e na imagem de David e faziam workshops em bairros problemáticos, mostrando um lado cultural mais humanitário. Moisés era reconhecido na rua, criaram um logotipo e um conceito de inclusão – que tem tudo a ver com o estilo desde início.

Loreta, um dos embaixadores de Moisés e David.

“A nossa identidade está focada no que nos somos. Não fingimos que somos rastafari ou que temos uma dieta vegetariana que é melhor da que a do vizinho. A ideia era procurar trazer valores da humanidade e procurar ser um bom exemplo utilizando a plataforma rastafari, partilhando e desfrutando as coisas positivas do movimento”, explica David.

Esta abertura tem também muito a ver com o negócio: se aderissem à filosofia Rastafári (ras tafari) teriam de fechar-se na parte social e não no negócio, ou seja, um salão especializado em tratar rastas não podia ter tendências religiosas. A ideia era abraçar a todos e juntá-los harmoniosamente numa comunidade multicultural e inter-religiosa. E foi o que aconteceu.

Em busca de mais representatividade no combate ao preconceito

“Quando comecei havia muito preconceito, mas hoje estamos a vencer e a derrubar barreiras e sinto-me feliz por ter contribuído”, diz Moisés. O estereótipo de que ser rasta é sinónimo de ser drogado, sujo ou marginal e que gerou tanta discriminação “combate-se havendo mais pessoas de rasta e já está a acontecer” concorda Diogo Ferreira, embora garanta que “ainda há muitas pessoas a trabalhar de rasta sempre escondidas do público.”

Claúdio França, pivot da SIC

Todos acham que a visibilidade e a representatividade são importantes para combater o preconceito. Um exemplo: Claúdio França, o pivot negro da SIC, rasta, deveria aparecer cada vez mais. Entre os seus clientes que ajudam difundir a imagem estão jogadores como Gedson Martins, David Tavares e os artistas T. Rex, Plutónio e Julinho KSD – todos dão a cara por essa comunidade.

Tudo isto tem que ver obviamente com a forma como a crescente e intercultural comunidade rasta pode contribuir para a luta contra o racismo – até pela sua característica de federar culturas e diferenças. Diogo diz que “o rasta representa África e a partir do momento em que as pessoas de outras culturas aderem quebram muitos preconceitos”. Fábio faz notar que “muitos dizem que é apropriação cultural”, mas ele não concorda. “Se vejo caucasianos ou asiáticos com rasta não sinto que estão a apropriar-se da minha cultura.”

Foto: Ines Leote

Diogo diz que o objetivo “é ir além da periferia, estender para o centro de Lisboa e expandir a mais culturas que visitam a cidade. Tendo representatividade no Centro de Lisboa podemos quebrar ainda mais o preconceito pois o rasta não muda uma pessoa. Ela é o que é com ou sem rasta”.

Fábio vai mais a fundo e diz que para ele “rasta é uma forma de se manifestar com mais condições e ferramentas, que ser rasta não é negativo” e acredita que com o seu trabalho está a contribuir para desmistificar o estereótipo.

“Tenho clientes com mais de 50 anos com rasta. Também há pais que me trazem filhos e mudam a visão que tinham do rasta porque faço questão de lhes explicar as técnicas e vêem que é um trabalho higiénico que precisa de produtos muitas vezes mais caros do que os convencionais. Quero que a sociedade não olhe de lado para quem usa rasta e quem usa de maneira adequada tem um papel importante nisso”.

David diz que não acredita que tudo seja tão simples como ajudar a erradicar o racismo usando rastas, mas que se pode criar pontes ou ligações e, isso sim, é que pode vir a melhorar as coisas. “Se um português caucasiano decide fazer rasta provavelmente irá encontrar resistência por parte da família, por exemplo, mas ao fazê-lo poderão depois concluir que afinal não há nenhum problema” conclui.

Ainda não há nenhuma associação, um lugar-comum de fala e de concertação, mas que não há rivalidade entre os profissionais e casas de rasta. “Damo-nos todos muito bem e se um dia tivermos de falar todos acho que vai dar uma conversa boa”, diz.

https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2021/12/MVI_2947.mp4
Vídeo: Inês Leote

Evolução das técnicas rasta

Quem aderiu à moda rasta nos anos setenta, oitenta, noventa ou dois mil sabe que as técnicas evoluíram. “Esta é minha terceira rasta porque não conhecia técnica da agulha” diz Fábio. “Meu cabelo não aderia e aprendi com um amigo que era inexperiente. O que hoje faço em três horas, antes de descobrir a técnica levava três meses a fazer. Quando passei a dominar a técnica, as pessoas passaram a pedir-me e foi assim que comecei. Mudei muito de há quatro anos para cá.”

Uma parte disto tudo é também a formação e também aqui há um trabalho de integração social. Fábio iniciou o projeto numa incubadora da associação do bairro onde ainda trabalha, mas vai abrir espaço novo e o atual vai servir de incubadora para novos projetos de estética da zona, para fomentar mais empreendedorismo. Moisés forma pessoas dentro e fora de Portugal e diz que a formação que dá aos jovens é o seu “maior orgulho”: é “ver que inspirei jovens a ter uma profissão.”

Para Moisés, que no início em 2013 conhecia muito pouco as novas tecnologias de rasta, a ideia de ensinar surgiu quando houve interesse de um dos clientes em aprender. Começou a transmitir o que sabia com os métodos que improvisava e em pouco tempo havia uma equipa de cinco pessoas treinadas. Só há cerca de um ano decidiu realizar formações mais profissionais além-fronteiras e dedica-se a capacitar jovens com muito mais técnica e experiência, de uma maneira mais metódica e eficaz. “Aprendi que para receber temos que dar e sinto-me feliz com isso” diz.

No estúdio Madlock. Foto: Inês Leote

Para todos o trabalho com as rastas é rentável, gera emprego e dá para pagar as contas. Fábio quer expandir o seu negócio e vai abrir brevemente um salão. “Mas quero ter uma cadeia e vou conseguir”, garante.

Clientes não faltam, jovens, adultos, velhos e novos, gente de diversas culturas, e as mulheres da comunidade africana que, “além do penteado, descobrem que é uma identidade”. O futuro das rastas está garantido e pode bem ser um dos pontos de apoio e visibilidade de uma comunidade mais misturada e múltipla.


Karyna Gomes

É a jornalista responsável pelo projeto de jornalismo crioulo na Mensagem, no âmbito do projeto Newspectrum – em parceria com o site Lisboa Criola de Dino D’Santiago. Além de jornalista é cantora, guineense de mãe cabo-verdiana, e escolheu Lisboa para viver desde 2011. Estudou jornalismo no Brasil, e trabalhou na RTP, rádios locais na Guiné-Bissau, foi correspondente de do Jornal “A Semana” de Cabo verde e Associated Press, e trabalhou no mundo das ONG na Unicef e SNV.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Excelente artigo!
    Só um reparo, relativamente ao uso do termo “Bedju” para caraterizar o nosso cabelo. Hoje em dia já existe o debate sobre o carácter pejorativo deste termo, em contrapartida do termo “Crespu” que refere as qualidades do nosso afro sem o prejuízo de rebaixar socialmente!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.