Dino d'Santiago e Karyna Gomes, na conversa no Centro Cultural de Cabo Verde. Foto: Rita Ansone

Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Não estranhem, vizinhos e vizinhas, o texto que se segue é em crioulo – crioulo cabo-verdiano. É o pontapé de saída do novo projeto de jornalismo em crioulo feito na Mensagem – apadrinhado por Dino D’Santiago, e a sua plataforma Lisboa Criola e apoiado pela iniciativa europeia Newspectrum, que promove o jornalismo em línguas minoritárias na Europa.

O crioulo, ou os crioulos, cabo-verdiano e guineense, são línguas não oficiais em Cabo Verde e na Guiné Bissau, e são falados e cantados correntemente em Lisboa – e embora não haja números oficiais para uma avaliação, é bem possível que seja a segunda língua mais falada da cidade. Aqui, fazemos-lhe uma homenagem, no caminho de um jornalismo mais inclusivo e de uma cidade mais misturada.

Por isso, nesta estreia, falamos com o padrinho da Nova Lisboa, crioula, e desta iniciativa, Dino D’Santiago. Esta é a cidade que ele canta, a mais crioula da Europa, onde ele descobriu a sua africanidade e origens, e também, o crioulo dos seus pais, cabo-verdianos (ele nasceu em Quarteira). Dino acaba de lançar o disco novo, Badiu, e esta entrevista é sobre o disco, neste contexto.

No final do texto encontram a tradução em português.

Leia mais sobre o projeto aqui e a crónica de Ferreira Fernandes aqui.


Na lançamento di projeto pa screbi sobre Lisboa na lingu di crioulo di Guiné-Bissau ku Cabo Verdi, nu ka podia dêxaba di fala ku padrinho di kel iniciativa, cantor, compositor luso-cabo-verdiano, Dino D’Santiago ki kaba di lança si nobu disco ki tchoma “Badiu”.

https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2021/12/Creole-Audio-Only.mp3
Entrevista completa em aúdio

Num conbersu na Centro Cultural di Cabo Verde, ê fala di kel obra ki ta completa um trilogia ki komeça ku disco “Mundo nobu”, álbum ki abri um novo kaminhu pa cantor I ki sta ta abri portas pa um novo rumu pa kumunidadi krioula na Lisboa di Portugal, terra mas kriola di Europa.

Dino, bu disco tchoma “BADIU” . Nha pergunta ê si bô bu bem di “mundo nobu” ku “kriola” ki ta puxa pa tudo kês aspecto di mistura i badiu ê um povo específico de Caoberdi, pamodi ki bu skodji kel título?

Foi primeru pa kel desafio di kantu nxinti kel “naçon kriola”, i perguntas ki ta binha era tcheu ofensivo, pergunta sima “ma bo bu ta xinti racismo?”, “bu ta atcha ma português ê racista?” Anton, ndicidi bai la pa tras pamodi n’xinti ma nkonta storia na média rês, gossi nta bai la tras pa nba trazi origen di guentis ki goci bu sta kanta na ses linguas ki bu sta ta xinti ses ritmo. Anton ê um specie di “cavalo di troia”. Dja bu xinti ma funana ê ka um ritmo di diabo, ma batuku ê ka um ritmo ki ta ofendi NhorDeus, pamó kel badju, nton nta mostrau kuma ki kontici, kuze ki nhôs fazeno, pamodi ki kel fenómeno dura tcheu ti tchiga na nhos. N’splica jornada di kel povu scravizado ki sai di zona di Senegal i di Gambia bem pa Ribeira Grande, hoji Cidade Velha i graças a ataques piratas di inglés ku holandês na kel altura ki faci ki kes pessoa scravizadu na kel altura konsigui fugi pa interior di Santiago. Kês pessoas ki purtuguês tchoma di vadius. Ê kês vadio ki nu bira ta tchoma di badiu, ki gera tudo kel kultura musical, linguístico ki ti século XX era proibidu consideradu pa Igreja como música di diabo, punidu ku morti ou ku kastigu na pilorinho.

Dino D’Santiago depois da conversa no Centro Cultural de Cabo Verde. Atrás dele, as batukadeiras no grafiti. Foto: Rita Ansone

Bu ta atcha ma badiu ê base kultural di tudo povo de Caoberdi. Modi ki bu ta traduzi kel filosofia I bu ta travel pa um contexto global?

Nta xplical ê si: Território di Caoberdi era deserto, guentis começa ta bem, europeu pa sês comércio trazi africano. Ilhas mas povoado foi Santiago ku Fogo i scravatura também kontici na kes dôs ilha, Santiago ku Fogo, dispôs fica só na Santiago. Nton tudo kes otru ilha ben ser povoado pa povo misturado originários di kes dos povu, europeu ku africano ki ba ta mistura ao longo do séculos I ba ta soando pa Barlavento pa um naçon krioula, dja ka era só badiu. Nton nta atcha ma na base di nós essência sempri sta badiu.

Por isso ki bu ta flâ ma “Funaná ê Nobu Funk” por exemplo?

Sim. Ê ka pa trazi guerra , por exemplo, entre badiu ku sampadjudu. Ê pa mostra ma ês ê um só! Na Cabo-Verdi inda nu ten tcheu resistencia na reconheci nôs africanidade. Nton nu ten mas gana di mostra nôs face ocidental, nos fruto di fuson ku Europa, di ki mostra nos africanidade. I na badiu nta odja nos salvaçon. Pa bu ba konxi di undi ki bu ben. Odja bu resistência, bu resiliência. Di la bu podi bai undi ki bu kré.

https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2021/12/Creole-Interview-Video-Full-HD-720p.mov

Dino, kel mistura ki bu ta faci, undi ki bu ta poi tudo kes elementos eletrónico riba di funaná ku batuku. Modi ki foi kasamentu di batuku ku tudo kes ritmos i elementos sonoro moderno ki traze kel nobu son di bo?

Ta bem comprova ma badiu sta na base. Kela ki foi bonitu! Mistura di produtor di Japon ku Inglaterra, Paul Seiji, Nosa di Nigéria, ku Kalaf di Angola, kada um ta vivi na Londres ku Berlim. Num conbersu sabi ku Kalaf nu xinti ma nu devia bai Caoberdi pa xinti origem. Modi ki batuku ta tocadu, dinâmicas, modi ki ta tocadu kes instrumento mas importanti di Funaná, kel pulsason. Kel finason, kel bravura na interpreta …kela nu ka podi perdi, nton nu trazi kês elementu mas etéreo i mas eletrónico simplismenti pa ser um camada superficial pa ka invadi kel tradiçon. I um único kussa kin faci foi trazi contexto rural e produtor ta trazi contexto de cidade. Foi assí. Foi na textura ki nu fasi fuson. Voz ku ritmo era prioridade. Nu mostra ma ti japonês podi ser badiu, podi poi si música na badiu tambi.

Objetivo era si bu sta na um club, bu podi poi funana ou batuku na Berlim, na Londres, undi ki bu kré! Ta xinti ma kel ritmo ta pertencês i sonoridade podi kompiti ku techno ou kualjer otru ritmo.

Dino, o que achas do projeto de falar da Lisboa Crioula em crioulo?

Eu acho de louvar principalmente pela valorização. Houve sempre uma marginalização do crioulo mas hoje em dia toda a gente bebe da nossa cultura mas não há uma valorização real quer dos nossos quer de quem chega de fora . Então, nascer uma iniciativa num jornal que se orienta e exprime em crioulo é uma vitória secular e um início de narrativa que vai quebrar muitos preconceitos e se calhar um dia vai haver aí manuais que quando estiverem a falar da nossa história, em vez de estarem a falar em frases como as de Vasco da Gama etc…estarão frases de líderes negros falados em crioulo e isso vai nos obrigar a ir Google procurar o tradutor como se faz com o inglês. Isto é uma passo gigantesco! É a diáspora sempre a dar um passo em frente, mas a vitória vai mesmo acontecer quando chegarmos a Guiné e tens um jornal todo em crioulo, quando as notícias forem dadas todas em crioulo em vez de português. Hoje é assim: a reportagem faz-se na rua, as pessoas estão a falar em crioulo e tens uma voz off a traduzir . Então, um passo como esse é importante.

Achas importante a oficialização do crioulo e sua inclusão no ensino em Portugal?

Sim. Para já pela riqueza que vai dar trazer às nossas duas línguas crioulas da Guiné-Bissau e de Cabo-verde, o que não acontece nem em Angola, nem em Moçambique…em São Tomé existe mas se não acontecerem estes projetos vai desaparecer.

Para ouvir o disco de Dino:


Numa conversa descontraída no Centro Cultura de Cabo Verde, Dino falou de Badiu, obra que completa uma trilogia que começou com o “Mundo Nobu”, álbum que abriu um novo caminho para o cantor que antes da música achava que seria ilustrador.

Dino em frente ao mural do Centro Cultural de Cabo Verde. Foto: Rita Ansone

Dino, teu disco chama-se “BADIU” e minha pergunta : se vens do “Mundo Nobu” e do “Kriola” que evocam vários aspectos da mistura na diversidade e o badiu é um povo, uma identidade específica de uma ilha de Cabo Verde, porquê este título?

Foi primeiro pelo desafio que encontrei quando senti algo diferente e comecei a falar da “Nação crioula” , as perguntas que me faziam eram muito ofensivas como por exemplo “tu sentes o racismo?”, “achas que o português é racista?” . Foi por isso que decidi ir lá atrás a busca da origem porque vi que contei a história pela metade. Fui buscar a história das pessoas que hoje em Lisboa se canta na sua língua e se dança nos seus ritmos e foi uma espécie de cavalo de Tróia. Pergunto : “Já sentiram que o funaná não é um ritmo do diabo, que o batuku não ofende a Deus, por causa da maneira de dançar, então vou vos contar o que aconteceu e como aconteceu, o que nos fizeram, porque é que este fenómeno durou muito até chegar a vocês.

Expliquei a jornada daquele povo escravizado que saiu da zona do Senegal e da Gambia e foram para Ribeira Grande, atual Cidade Velha e digo que graças aos ataques piratas dos ingleses e holandeses naquela altura, aquele povo conseguiu fugir para o interior da ilha de Santiago. Aquele grupo a que os colonizadores chamaram de vadios que nós mais tarde chamamos de badius e que geraram toda aquela cultura e estilos de música específicos que até o século XX eram proibidos, considerado pela Igreja como músicas do diabo, punido com açoites e morte no Pelourinho.

Isso quer dizer que achas que o badiu como cultura está na base da caboverdianidade ? Como é que traduzes essa filosofia e trazes para um campo mais Lisboeta e global?
Eu o explico assim: o território Cabo-verdiano era deserto, chegaram pessoas da Europa e da África para as suas relações comerciais. As ilhas mais povoadas eram a de Santiago e do Fogo. A escravatura também começou nas duas ilhas e depois só permaneceu em Santiago. As outras ilhas foram povoadas por pessoas que resultaram dessa mistura de povos da Europa e de África. E foram se misturando ao longo dos séculos e foi se espalhando pelas ilhas do Barlavento. Por isso acho que na base da nossa essência sempre está o badiu.

Por achares que o badiu está na base do crioulo no mundo é que dizes que o “Funaná é o novo Funk” por exemplo?

Sim. Não é para causar conflitos , por exemplo, entre badiu e o sampadjudu. É para mostra que são um só! No caso específico de Cabo-Verde ainda temos muita resistência em reconhecer a nossa africanidade. Então temos mais vontade de mostrar a nossa face ocidental, nossos frutos de fusão com a Europa do que nossa africanidade. No “badiu” vejo a salvação para percebermos de onde somos originários, ver a nossa resistência e resiliência. Dali podemos ir para onde quisermos.

Dino, fala desta mistura que fazes em que colocas elementos eletrónicos por cima do ou no funaná e no batuku. Como foi esse casamento entre o ritmos badios com todos estes ritmos e elementos sonoros modernos que trouxeram este teu novo som?

Isso também comprova que o “badiu” está na base. Isso foi bonito! Misturar um produtor Japonês e Inglês , Paul Seiji, Nosa da Nigéria, e Kalaf de Angola, ex elemento dos Buraka Som Sistema, cada um a viver numa cidade como Londres e Berlim. Numa boa conversa com o Kalaf, sentimos que devíamos ir a Cabo Verde para sentir a origem. Perceber como se toca o batuku, as dinâmicas, como se tocam os instrumentos mais importantes do funaná. Sentir a pulsação e a bravura na interpretação.

Isso não podemos perder então trouxeram os elementos mais etéreos e mais electrónicos mas superficiais, para não invadir a tradição. A única coisa que fiz foi trazer minha tradição rural e o produtor trouxe elementos urbanos. Fizemos fusão na textura. A voz e os ritmos eram prioridade. Mostrámos que até o japonês pode ser badiu. O objetivo era mostrar que se estás num club em Berlim ou em Londres ou onde quiseres, podes ouvir funaná ou batuku e sentir que esses ritmos também te pertence e pode competir com o techno ou qualquer outro ritmo.


Karyna Gomes

É a jornalista responsável pelo projeto de jornalismo crioulo na Mensagem, no âmbito do projeto Newspectrum – em parceria com o site Lisboa Criola de Dino D’Santiago. Além de jornalista é cantora, guineense de mãe cabo-verdiana, e escolheu Lisboa para viver desde 2011. Estudou jornalismo no Brasil, e trabalhou na RTP, rádios locais na Guiné-Bissau, foi correspondente de do Jornal “A Semana” de Cabo verde e Associated Press, e trabalhou no mundo das ONG na Unicef e SNV.

Entre na conversa

5 Comentários

  1. O meu aplauso!!!
    Parabéns, e ainda por hoje, dia 03 Dezembro, ser o dia do compositor B.Leza e da Morma, patrimonio da humanidade.
    Parabéns mais uma vez pela iniciativa, ao Dino D’Santiago e à Karyna Gomes.
    Tenho uma página no Facebook há vários anos, privada, que é quase exclusiva à música de Cabo Verde e Guiné-Bissau, entre algumas curiosidades e costumes de África.

  2. Muito bom o projeto. Gostaria de sugerir uma parceria vossa com o Instituto do Património Cultural e linguistas como Adelaide Monteiro, Ana Josefa (em Portugal) e outros, para que vos apoiem na aplicação do ALUPEC na escrita do crioulo. Ex: o “c” por não existir no ALUPEC não se utiliza para o som “s”.
    Estamos e estaremos (IPC) sempre disponíveis para apoiar-vos na elevação da nossa língua.

  3. N ta louva es inisiativa i ses prumutor! Votus di txeu susesu! Tanbe N ta louva disponibilidadi di Instituto do Património Cultural di djuda-nhos na inplimentason di alfabetu ofisial di kriolu kabuverdianu! N ta manifesta nha disponibilidadi tanbe. Ale un rizumu di regras di alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC): https://tinyurl.com/kv3e5777

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.