https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2021/09/pol-2-HD-1080p-legendado.mp4
Vídeo: Stephen O’Regan/People of Lisbon

Era Inverno e fazia realmente frio naquele sábado em que Beatriz Gomes Dias aterrou pela primeira vez em Lisboa. Mas qualquer cidade ia parecer gélida comparando com Dakar, no Senegal, onde a agora candidata pelo Bloco de Esquerda à Câmara de Lisboa nasceu e onde vivera até esse dia.

Tinha apenas quatro quando veio viver numa cidade a cheirar a sardinhas assadas e onde as casas tinham mais do que um rés-do-chão. Viver num prédio – e poucos tinham sido os que vira até à data – “fez parte de toda a expectativa de vir”, conta Beatriz, agora com 50 anos.

Lembra-se de embrulhar sobretudo brinquedos para a vinda. Do que precisaria mais uma criança?

Depois de a família empacotar a vida em caixotes, uma viagem com escala em Las Palmas e ainda na Madeira trouxe-os à terra que Beatriz só tinha visto em fotografias a preto e branco. Foi apenas quando cá pousou os pés que o céu virou azul, as ruas ganharam a cor do sol, os telhados cobriram-se laranja-telha e os azulejos das casas tantas cores.

Os seus pais fixaram-se em São Domingos de Benfica. Mas o bairro desta candidata é o da Graça, que sempre a maravilhou e onde decidiu, já adulta, começar a sua independência. Tinha 27 anos.

Com partida do Miradouro Senhora do Monte, um lugar que Beatriz visitava com frequência até se despedir do bairro há uns meses, fizemos uma viagem pelos lugares das suas memórias na Graça.

Um bairro que ela vê dividido em três dimensões: a operária, espelhado nas vilas operárias que ainda ali existem; a feminista, na casa de Angelina Vidal (jornalista e professora) e na rua de Natália Correia (poeta).

E a do combate ao racismo, na igreja que dedica um altar aos santos negros.

Em todas estas dimensões, há muito dela e daquilo que defende. Como cidadã e agora como candidata.

Só na Graça encontrou “esta vida de bairro”, onde “tudo se faz a pé” e as sardinhas se assam na rua, mesmo fora do tempo de festa, como a cozinha de uma única casa a céu aberto. “Sempre quis estar mais envolvida com a cidade” e foi por aqui que começou.

Ouça na íntegra a conversa com a candidata:

https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2021/09/BEATRIZGOMESDIAS_AMINHARUA.mp3

Com os pais, naturais da Guiné-Bissau, habituou-se a passear muito por Lisboa. Tinham como ritual fazer passeios pela cidade ao fim-de-semana, sempre de transportes públicos. Recorda a emoção de subir ao ponto mais alto dos autocarros de dois andares que existiam na altura, para dali mirar tanto quanto podia. A feira da ladra, na freguesia onde viria a morar, era um dos pontos de passagem favoritos.

A carreira em Biologia e na educação, como professora do ensino básico e secundário, no agrupamento Filipa de Lencastre, nos últimos tempos, deve-a sobretudo a uma professora. Entretanto, trocou as salas de aula pela Assembleia da República, onde é deputada pelo BE. E embora a política nunca fosse vista como um fim, cedo percebeu que seria um meio. “Sempre estive muito preocupada em entender como poderia contribuir para tornar a sociedade mais justa.”

O que, aliás, a levou a tornar-se membro do SOS Racismo e, hoje, dirigente da DJASS – Associação de Afrodescendentes. O tema “racismo” nunca foi tabu na família e muito menos assunto a que fosse alheia. Conta ter sido “um alvo desde muito pequena”. Desde logo, sentiu que existia “uma discrepância na forma como era tratada no seio mais íntimo e a forma como a cidade lisboeta [a] tratava”.

E não deixámos o assunto de fora da conversa: Beatriz Gomes Dias é a primeira mulher negra a candidatar-se à presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

O que diz isto de Lisboa? – perguntamos. Diz mais que há uma forte presença africana na cidade do que do racismo que atrasou esta candidatura, responde, olhando para o copo meio cheio. Tal como o altar da Irmandade do Rosário dos Pretos e os Santos Negros que visitámos na Igreja da Graça.

A sua vida desaguou no bairro que dá nome à igreja, onde Beatriz conviveu com muitos dos problemas que hoje diz tentar combater através da candidatura à presidência na autarquia. A começar pela habitação, que é um problema tão grande ou maior do que foi quando ela própria, com 27 anos, esteve à procura de casa. Mas também os transportes públicos, ainda insuficientes. “A melhoria já aconteceu, mas temos de ir mais longe.” Para que perder um autocarro não seja sinónimo de falhar o horário de entrada no trabalho, como tantas vezes temeu.

Por isso, inclui ambos os temas no seu programa eleitoral. Entre outras coisas, sugere um programa de Renda Acessível 100% público que garanta dez mil casas nos próximos quatro anos e a “Carris em 5 minutos”, uma iniciativa que visa o aumento da frequência dos transportes na cidade.


Catarina Reis 

Nascida no Porto há 25 anos, foi adotada por Lisboa para estagiar no jornal Público. Um ano depois, entrou na redação do Diário de Notícias, onde aprendeu quase tudo o que sabe hoje sobre este trabalho de trincheira e o país que a levou à batalha. Lá, escreveu sobretudo na área da Educação, na qual encheu o papel e o site de notícias todos os dias. No DN, investigou sobre o antigo Casal Ventoso e valeu-lhe o Prémio Direitos Humanos & Integração da UNESCO, em 2020.

Entre na conversa

5 Comentários

  1. Boa noite, vão publicar artigos semelhantes com os restantes candidatos à câmara municipal de Lisboa?

  2. Boa tarde, Miguel
    Sim, vamos. A série começou esta segunda-feira

  3. Preciso de saber como consultar o programa das candidaturas à minha freguesia. Arroios . Quero decidir pelos programas e não pelo partido. Agradeço a vossa ajuda

  4. Madalena – a informação consta nas páginas dos respetivos candidatos… às vezes não é fácil.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *