Olá, vizinhos!

Escrevo-vos esta carta da minha secretária na redação da Mensagem. Estou na Baixa, em Lisboa.

Aqui na rua, nesta excelente acústica do urbanismo octogonal da planta da Baixa, um violoncelista (vejam a história dele, na edição de amanhã do site) toca o Requiem de Mozart, mais precisamente a Lacrimosa. Uma canção tão triste, mas que hoje que nos soa tão bem: é vida, não é morte. O facto de haver alguém a tocar na rua anuncia um regresso da vida às ruas.

Vêem-se mais pessoas, os elétricos passam mais vezes, já se pode tomar um café.  As lojas começam a preparar-se para reabrir, trocando os saldos de inverno que ficaram a ganhar pó nas montras, pelas coleções mais leves que a primavera pede.  

E… no entanto, temos a respiração suspensa. Não esquecemos as mortes, as muitas mortes que o silêncio desta pandemia nos escondeu dos olhos. E mesmo agora, que tudo começa a reabrir, sabemos que nada está estabilizado e não é ainda tempo de respirar de alívio. É um começo. É preciso cuidado – quanto maior o cuidado mais rápido vai ser o regresso à normalidade.

A uma certa normalidade.

Vai saber-nos bem, aqui, na Mensagem, voltar às ruas, ver a vida a bombar nelas. Vamos ter certamente muitas mais histórias para contar. Vai haver mais gente a fazer coisas. A pôr o sangue de Lisboa a circular de novo.

Quando escolhemos começar este projeto, há um mês, sabíamos que ia ser assim, no início: a maior parte do tempo distantes, confinados, mas sempre atentos. Mesmo confinados, começamos a destapar algumas das histórias que Lisboa tem para contar e que estavam escondidas no rame-rame dos dias.

E temos a certeza: esta cidade que já resistiu a tanto, e cuja alma se sente em cada esquina, em cada olhar, em cada corda deste violoncelo que continua a tocar, está pronta para voltar à vida.

Bem vinda de volta, Lisboa. Temos muitas saudades.

Catarina Carvalho
Diretora

PS 1 – A todos os que estão e estiveram connosco neste mês de vida, um enorme agradecimento. A quem quiser continuar a contribuir para o projeto, tem aqui o lugar para o fazer:

Todo o valor recebido será investido no projeto.

PS2Esta quinta-feira, às 18:30, não se esqueçam da nossa primeira entrevista ao vivo, na Brasileira do Chiado, por enquanto ainda virtual. Será ao fadista Ricardo Ribeiro. Quem é nosso membro pode enviar perguntas para a entrevista aqui. Todos podem assistir em direto, no Facebook da Mensagem, aqui.

Para quem não conseguiu ler todas as histórias desta semana, uma seleção pessoal:

Precário e sem fôlego: a vida de Hossain, estafeta de bicicleta na cidade íngreme

Hossain é bengali, tem 38 anos. Está em Lisboa desde março de 2019 e trabalhava na restauração. O emprego perdeu-se, no meio da pandemia, e a única possibilidade para ganhar a vida foi colocar-se em cima do selim da bicicleta, a entregar refeições Lisboa fora. Espera nas […]

Marine, a patinadora das ruas de Lisboa

Costuma ser a única mulher entre os patinadores de rua. “Espero que isso mude”, diz a francesa Marine Billard a olhar para a câmara. Lisboa é um ótimo sítio para andar de patins, garante, principalmente depois das muitas quedas que já a tornaram íntima da calçada portuguesa […]

Fado Covid – ou fado DOP?

Nas duas últimas décadas, o Fado tem gozado de um enorme crescimento de popularidade e interesse em Portugal e no estrangeiro. Após o desaparecimento de Amália Rodrigues, muita foi a atenção que os media passaram a dedicar a uma nova geração de fadistas e músicos que então […]

Estão as nossas casas preparadas para um sismo? Lisboa prepara semáforo que faz avaliação de prédios

A cidade voltou a tremer. O sismo de Lisboa foi de 3.4 na escala de Richter sentido esta semana foi muito leve, durou apenas segundos e não deixou rasto de danos para trás. Mas é sempre um susto para os lisboetas a quem lembra catástrofes passadas e […]

Homenagem a Peyroteo, herói do Sporting

Na vinheta em que se fala do filme O Leão da Estrela, é deste momento que se fala: Veja as outras Bandas Desenhadas aqui.

“Não tinha onde dormir. Olhei para o banco de jardim numa perspetiva diferente.” O primeiro dia sem abrigo

O que vai ser da minha vida agora? O que vai acontecer? O que vou fazer? Onde vou dormir? O que vou comer? Eram estes os meus pensamentos sentado no banco do comboio em direção a Lisboa. Regressava à minha cidade com uma mala e uma mochila […]

Traduções, trocas, intercâmbios

Não sei se vos contei, a minha atual vida é uma reencarnação, já antes andei por cá. Eu sei que muitos dizem o mesmo e mentem. Mas eu tenho pormenores e estou a vê-los como se fosse ontem. Quer dizer, foi em 955, há mais de mil […]

Diogo, o músico de rua, inventou uma app para continuar a tocar na rua… virtual

O músico Diogo Xocó já foi Diogo Batalha, mas isto foi antes, bem antes do publicitário brasileiro aos poucos desistir da rotina nine to five do escritório, dos briefings, brainstormings e deadlines, antes do operário, da formiga, metamorfosear-se em cigarra. Entretanto, o rigoroso inverno da fábula veio […]