Olá Vizinhos!


Temos andado um pouco arredios do vosso contacto. A razão é uma: estamos a trabalhar no futuro da Mensagem.

Fomos escolhidos, entre 120 startups europeias, para participar no acelerador de start-ups de media do Bayern Media Lab, com o apoio do Google News Initiative e a supervisão do European Journalism Centre.

Isto é um orgulho, para nós, que acabámos de começar, e como queremos aproveitar ao máximo, temos passado os dias em workshops intensivos e a pôr no papel e nas folhas de Excel bastantes ideias para o nosso (e vosso) futuro.

Porque, venha o que venha, um ponto será sempre certo: o nosso futuro é convosco, tornando a comunidade à volta da Mensagem mais forte e mais rica, com mais ideias, mais histórias e mais eventos na nossa sede emocional, a Brasileira do Chiado que esta semana comemora 116 anos.

Parabéns a ela, vetusta e linda!

E é por isso que queremos perguntar-vos: Que temas devíamos abordar nos próximos tempos? Há alguma história que estejamos a perder? Há alguma personagem/história da cidade que devessemos contar? Escrevam-nos para: geral@amensagem.pt

Por falar em histórias que descobrimos, estamos muito contentes com a visibilidade que foi dada ao nosso cronista Jorge Costa no programa de Manuel Luís Goucha, na tarde da TVI. Que o Jorge é um contador de histórias nato sabemo-lo cada vez melhor, a cada um dos novos episódios do relato da sua vida nas ruas. Arrepiam-nos sempre, emocionam muitas vezes.

Talvez nem ele próprio saiba, mas ao ir a um programa de grande público, o Jorge contribui para o conhecimento que leva à empatia. O não assobiar para o lado, ou virar os olhos. Foi sempre o nosso objetivo, ao publicar as suas crónicas. Que ele tenha sido amplificado desta forma, alegra-nos. Obrigada ao querido Jorge, e ao Manuel Luís Goucha.

Leia aqui a última crónica do Jorge:

Veja aqui o programa.

PS – Apesar da visibilidade, o Jorge ainda não tem um emprego fixo compatível com as suas condicionantes de saúde. Se alguém tem alguma dica é escrever-nos para geral@amensagem.pt

Mais coisas:

1) Esta foi a semana em que fomos tentar saber o que se passa com as escadas rolantes do metro que estão sempre avariadas: leia aqui. Este artigo do Frederico Raposo foi a base para um novo movimento no Twitter que promete não deixar morrer o assunto, @arranjaescadas.


2) Tem visto máquinas de lavar roupa em cima de paragens de autocarro? Descobrimos o artista urbano misterioso de Lisboa que as anda a pôr lá: o superlinox.


3) Sabia que já houve tempos em que uma pitonisa lia a sina no Chiado e que essa mulher tem uma rua em Vila Real, em Trás os Montes? Veja a Banda Desenhada, do Ferreira Fernandes e do Nuno Saraiva.


4) Saiba aqui, neste trabalho da Catarina Reis e da Salomé Rita quais são as escolas de Lisboa mais rodeadas de fast food por todos os lados. E o que pode um governo local fazer para resolver este problema, com o exemplo de Londres.

5) E redescubra a história da Velha Tendinha, cantada por Hermínia e Amália, e ainda rija, debaixo do Arco do Bandeira, no Rossio.

A Tendinha do Rossio, a mais antiga taberna de Lisboa, resistiu ao tempo e à pandemia

Na esplanada ao pé do Arco do Bandeira, no Rossio, pastéis de bacalhau, bifanas e filetes […]

E é tudo por hoje.

Tenham um excelente fim de semana! E até daqui a uns dias, com mais novidades.

Catarina Carvalho

Lisboa merece um jornal para uma comunidade de cidadãos que valorizam a cidade em que vivem. Contribua para que este projeto possa crescer e fortalecer-se:

Já nos segue nas redes sociais?