Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Ao aproximarmo-nos da pequena banca de Eva no Centro Comercial da Mouraria ouve-se o som da lingala – língua congolesa com fonética singular, entre as várias outras línguas que se falam bem alto em Lisboa. Nem crioulo nem português, neste que é um dos maiores polos interculturais da Europa, em pleno Martim Moniz. Lingala.

Eva falava com a irmã ao telefone enquanto olhava para o corte de tecido que tinha na mesa improvisada ao lado da banca onde atende os clientes no seu negócio de alfaiataria. Ao redor, roupas em tecido africano, todas feitas pelas suas “mãos de fada”. São lindas, mas ela, com ar desconfiado não quer falar connosco. “Não” redondo… “Não quero e nem vou aparecer num jornal! Não quero ser celebridade,” diz, até um pouco irritada. E terá as suas razões, que também não quer revelar.

Fala com a irmã que está em Kinshasa. “Agora o meu espírito está nesta chamada e nisso…” diz, apontando para o pedaço de tecido que moldava. Eva é apenas o nome que escolhemos para dar a senhora que, por alguma razão, não queria falar com um jornal.

Teria dado uma excelente história, para começar a contar a história dos muitos alfaiates de várias nacionalidades que trabalham em Lisboa, com tecidos do mundo, para dentro e fora das suas nacionalidades.

Numa época de pronto a vestir e moda rápida, eles são os guardiões dessa arte da agulha e do dedal, com tempo e perfeição. E continuam a trabalhar porque há muitos que não se sentem servidos por essa moda rápida e globalizada, igual para todos. Curiosamente, aqui, em Lisboa, numa Baixa cada vez mais tomada pelas grandes cadeias, são um reduto de diversidade.

Do Nepal e Paquistão para o Rossio através dos tecidos

Como Waseem Ullah e Chabir, do Paquistão, que partilham no Rossio um atelier com o colega Suria, do Nepal. Os três trabalham juntos sob orientação de Chabir que está há mais de oito anos em Portugal e se dedica à profissão que herdou dos avós. Lisboa é seu lugar.

“Gosto muito de Lisboa, por isso escolhi trabalhar aqui… Esta cidade está aberta para dar oportunidades às pessoas de todas as nacionalidades e nós aqui descobrimos o mercado dos africanos que nos encomendam a maior parte das roupas”.

“Isso é um trabalho de família, veio dos meus bisavós, passou para os meus avós que me ensinaram, juntamente como os meus pais. São homens que se dedicam há várias gerações a este trabalho”, diz. As más condições em que vivia no Paquistão fez com que Chabir se mudasse para Portugal, onde vai ganhando o sustento através das roupas que confeciona para um leque vasto e multicultural de clientes no coração do Rossio.

Os clientes são africanos e comunicam entre si em português. Dentro do atelier, enquanto se espera por uma roupa encomendada, duas comadres discutem sobre a vida, seus dissabores e apoiam-se. Elas falam em crioulo. Na sua língua, falam da mágoa de um país que não lhes dá esperança e do qual nem sequer querem falar.

“Não quero falar de nada sobre a Guiné-Bissau porque me dói a cabeça”, conclui Fatumata que conta não ter mais paciência para os problemas políticos do seu país. “Prefiro me desligar de tudo e fazer a minha vida em Lisboa.”

No atelier de Chabir, no Rossio, junto ao Largo de São Domingos, estão expostos vários tecidos e modelos para os diferentes gostos e origens.
Foto: Inês Leote

Nesse lugar que é dos africanos em Lisboa, no passeio em frente à Igreja de São Domingos, sentam-se e vendem “coisas da terra” vestidas tipicamente com roupas em tecidos africanos feitas pelas mãos destes alfaiates paquistaneses, guineenses e senegaleses.

No atelier de Chabir, estão expostos vários modelos e formatos de roupa para os diferentes gostos e origens. É uma mistura de cores e culturas. É só escolher o que se quer fazer, tirar medidas e provar. Os seus clientes na maioria são mulheres e muçulmanas.

“Eu adoro trabalhar aqui. Lisboa é tão bonita, tem pessoas de tantas nacionalidades. Encontramos africanos que vêm do Senegal e de outros países daquele continente, encontramos pessoas do Paquistão, do Bangladesh e do Nepal. Tantas!”, diz Waseem Ullah.

“Eu encontrei espaço em Lisboa e oportunidade para crescer” completa a frase a sorrir. Enquanto puxamos conversa, uns cortam, outros costuram ou atendem clientes que não param de entrar. O negócio prospera.

Falta de clientes com a pandemia

Na rua do Benformoso, trabalha Mussá, num pequeno atelier onde, por falta de clientes, desde a pandemia, a equipa de alfaiates só se junta ao sábado. Guineense, aprendeu a costurar em Ziguinchor, no Senegal, aconselhado por um tio. Trabalhou durante muitos anos como costureiro no conhecido bairro de Quelelé, em Bissau.

O guineense Mussá faz parte de uma equipa de alfaiates que trabalha num atelier da rua do Benformoso, que atualmente só se junta ao sábado devido ao impacto que a pandemia teve no negócio. Foto: Inês Leote

“Apanhei uma doença grave que me obrigou a vir com uma junta médica para Portugal em 2005 e fiquei cá até hoje, porque preciso de cuidados específicos. Dos meus colegas sou o único que não pode fazer outro tipo de trabalho por recomendações médicas, mas gostaria muito.”

Mussá não está muito contente com o trabalho. “Recebo o rendimento mínimo e é isso que me sustenta porque tenho poucos clientes desde que começou a pandemia”, diz, revelando que já tem a nacionalidade portuguesa, embora ainda não tenha conseguido trazer a mãe, mulher e filhos da Guiné, por falta de meios. Entretanto dois dos seus três filhos morreram sem ele os poder ver.

Fodé Dabó e o filho Malam são outros dois guineenses que se juntam ao sábado na rua do Benformoso. O impacto da pandemia no negócio faz que durante a semana a maioria tenha que trabalha nas obras. Fotos: Inês Leote.

É ao sábado que a rua do Benformoso volta a ganhar vida – e por aqui há muitos alfaiates. Fodé Dabó – que veio há 13 anos da Guiné-Bissau para Portugal – e seu filho trabalham em duas encomendas.

“Eu é que fundei esta alfaiataria e trouxe toda essa gente! Muitos já passaram por aqui, entre guineenses e senegaleses. O senegalês já voltou para o Senegal e restam apenas guineenses” diz. Está bem mais à vontade do que Mussá. Já o filho, que também se chama Malam, é mais tímido, mas aos poucos vai se soltando e conta o que está a fazer enquanto coloca um fecho no calção branco que costura.

Fodé, o pai, conta um pouco mais da sua história num português misturado com o crioulo da Guiné. “Antes de abrir o atelier, fiz um curso de um ano e nove meses na Modatex em Portugal” diz. Também conta que foi ele que ensinou o filho a costurar, ainda na Guiné-Bissau.

Antes de abrir o atelier, Fodé Dabó fez um curso de um ano e nove meses na Modatex, em Portugal. Foto: Inês Leote.

A profissão, apesar da dedicação, tornou-se secundária porque a pandemia fez diminuir drasticamente o número de clientes, o que os obriga a, durante a semana, trabalhar onde há mais trabalho, nas obras. “Quem nos dera poder trabalhar só como alfaiates”.

Na Baixa que é de mistura de pessoas que cruzam e se cruzam e partilham histórias e vivências, línguas e culturas ainda há histórias escondidas como a destes alfaiates que dão colorido à cidade. Alfaiates africanos, paquistaneses ou nepaleses, mas igualmente das vendedeiras de óleo de palma, quiabo, piri-piri e castanha de caju da Guiné que dão cor, forma e sabor, bem ali em frente à ginjinha. Lisboa, como ela é.


Alfaiatis di bekus di Lisboa

Ê bin ku sê modelu, panus, koris, suma ku ê ta fasi ba na teras nundê ku ê padidu, teras ku ê bin disa pa bin busca bida. Ma la na kil mesmu baixa ku intchi lojas ku kunsidu na mundu ntidu, ku ê finkada sê firkidja pa mostra forsa di kontrada di manga di pubis.

Otcha ku nô pertu kau di bindi di Eva na sentru kumersial di Mouraria, nô obi son di lingala – língu ku ta papiadu na Congo, i ku tene un kantiga bonitu óra ke bu na papial. I mânsia di manga di utrus língu di fora ku ta papiadu na Lisboa. Kil dia, nô ka obi djintis na papia nin kiriol nin purtuguís, na és ku ta faladu kuma i un di kil sentrus mas garandis ku ta djunta kultura di mundu ntidu dentru di Europa, na metadi di Martim Moniz. Lingala.

Eva staba na papia ku sin ermon na telefoni enkuantu i na djubi padás di panu ki tene pui riba di mesa i na korta pa kusi, filadu ku kau ki ta n’kosta nel pa papia ku si klientis. Kila i si nogós di alfaiataria. Na paridi, i prinda ropas ku el propi i ta kusi ku panus di legós. Ropas bonitus, mas i ka fianu nin um bokadinhu manera ku no bin, i falanu kuma i ka misti papia ku nôs. “Nau!” i nega far…” N’ka misti, nin n’ka na sai na bó jornal! N’ka misti pa ninguin kunsin.” I falanu ês ku n’bokadu di raiba.  I dibi di ten kê ku pui i fala sin, ma i ka misti konta.  

I pega papia ku si ermon fémia ku sta na Kinshasa. “Gosi nha sintidu stan na ê konbersa ku nha tarbadju”, i kontanu enkuantu i na sinala padas di panu ki korta pa kusi. Eva i nomi ku nô kudji pa txômal…el ku ka seta papia ku nô jornal pabia di algun kusa ku i ka misti falanu.

Stória na bonitu ba si kontra i seta ba papia ku nôs, pa kumsa konta stória di manga di alfaiatis di manga di terras ku ta tarbadja na Lisboa, ku panus di mundu ntidu, pa sê parentis ou pa djintis di utru tera. Na mundu di gosi nundê ku djintis ta misti son ropa feito, esis i kilis ku ka ta dissa kil tradison ku arti di kusi ku gúdja, ou dedal, sin ten dipresa, ku djitu i ku bonitasku.

Esis pega sê tarbadju rissu pabia i fasi manga di tempo ku ê para sinti kuma és moda di ropa feitu ku parsi ku di mundu ntidu ka dibi di fasi elis pa ê disparsi. I di dimira, dentru di Lisboa ku tene lojas garandi ku kunsidu na mundu, pa bu odja kin ku na tisi moda di utrus kultura.

Suma Waseem Ullah ku Chabir ku bin di Pakiston ê djunta kau di kusi ku sê kolega Suria ku bin di Nepal. Elis tris ê ta tarbadja djuntu. Sê chefi i Chabir ku sta dja mas di ki oitu anu na Purtugal. I tarbadja ku alfaiataria pabia i iardal di si donas. Lisboa i tera ku i kudji.

“N’gosta tchiu di Lisboa el ku manda n’kudji tarbadja li… Ê sidadi sta abertu pa iabri porta pa djintis di tudu tera…anôs li nô diskubri klientis di Áfrika. Elis ku mas ta bin pidi pa kusi ropa na nô mon”. 

É nas alfaiatarias do mundo em Lisboa que muitos imigrantes encontram roupa que foge à uniformização das grandes cadeias de vestuário.
Foto: Inês Leote

“Ês i tarbadju di família, ku bin di nha tuturdonas, ku pasa pa nha donas ku nha pepé ku bin sinan kusi. I homis ku ta kusi disna, di djorson pa djorson”, i konta. Suma kusas ka na kuri ba dritu na Pakiston, Chabir munda pa Portugal, tera nundê ki ta buska bida na tarbadju di kusi pa manga di klientis di manga di tera, na korson di Rossio.

Klientis i afrikanus ma ê ta papia na purtuguis dentru di alfaiataria… Enkuantu djinti na pera ropa, dus mandjua na djumbai ê miskinha kusas di bida, sabi ku kasabi, ê na m’palia n’utru. Ê na papia na kiriol. Ê na miskinha kusas di tera ku ka ta da elis speransa. Nim ê ka misti papia di kila propi.

“Ami nka misti papia nada di Guiné-Bissau pabia kabesa ta bin den propi”, i kaba di konta Fatumata ku fala kuma i ka tene dja mas pasiensia pa pulitiku di si tera. “Mindjor n’disliga di la pa n’fasi nha bida na Lisboa.” Na kil kau ku afrikanus ta sinta nel disna ki Rossio i Rossio, dianti di Igreja de San Dimingu, ê ta sinta ê na bindi “kusas di terra” ku sê ropas di panu legos ku sê alfaiatis ta kusi elis, sedu elis pakistanisis, guineensis ou senegalisis.

Na alfaiataria di Chabir modelos prindadu manga del ku manga di kor pa gustu di kada kin, di kada rasa. Koris ku kulturas ku djagassi la. Bu ta kudji kil ke bu misti kusi bu tira midida, bu bisti pa djubi si sirbi. Klientis i maioria mindjeris musulmanu.

“N’gosta di tarbadja li. Lisboa bonitu, i tene djintis di tudu nasionalidadi no ta kontra ku senegalisis, ku djintis di utrus nasionalidadi afrikanu, nô ta kontra ku pakistanisis, nepalisis, djintis di Bangladesh. Manga delis!” I fala Waseem Ullah. “N’otcha kau di sta na Lisboa, n’otcha manera di kirsi li” i kabanta kontanu ku garasa. Konformu n’na papia ku elis, kada kin pega si tarbadju, utrus na korta, utrus na kusi, utrus na papia ku klientis ku na ientra. Nogós na kirsi.

Foto: Inês Leote

Na rua di Benformoso Mussá ta tarbadja na um alfaiaria pikininu nundê ku ê tene falta di klientis disna ku pandemia kumsa. La, ekipa di klientis ta djunta son dia sábadu. El i guineensi, i sina kusi na Ziguinchor, Senegal… si tio ku konsidjal. I tarbadja manga di anus na kostura na bairru di Quelelé na Bissau. “Npanha un duensa risu ku pui pa n’panha junta mediku n’bin pa Portugal na 2005… nfika li tê aós pabia nten ku bai mediku senpri. Ami i uniku ku ka pudi fasi utru tipo di tarbadju suma nha kolegas pabia dutur ka seta, mas n’gosta ba tchiu.”

Mussá ka mutu sta kontenti ku si tarbadju. “nta risibi kil ku ê ta txoma di rendimento mínimo…kila ku ta sustentan pabia nta tene puku klientis disna ku ês pandemia kumsa”, i konta. I fala kuma i tene dja si nasionalidadi purtuguís, ma té gosi i ka konsigi tisi si mamé, si mindjer ku si fidjus di Guiné pabia i ka tene manera. Si dus fidju fika ê muri si trás, i sobra son ku unson.

Dia sábadu ku rua di Benformoso ta torna tene muvimentu– pabia i tene manga di alfaiatis. Fodé Dabó – ku bin di Guiné-Bissau pa Portugal, i fasi dja 13 anos – ku si fidju ê na tarbadja na dus n’kumenda. “ami ku funda és alfaiataria kaba n’tisi tudu djinti. Manga delis pasa dja li…guineensis ku senegalisis. Senegalis riba dja pa si tera, gosi guineensis son ku fika li” i fala. I na papia mas à bontadi di ki Mussá. Si fidju ta burgunhu n’bokadu óra ki na papia, ma konformu i na papia i fika i na kontanu si stória enkuantu i na perga boton na ropa.

Foto: Inês Leote

Fodé, papé, i konta sê stória n’bokadu na si purtuguís djagassidu ku kiriol di Guiné. “Antis di n’iabri és kau, n’fasi un curso di un anu i novi mis na Modatex li na Portugal” i konta. Ma i sina si fidju kusi la na Guiné-Bissau. És sê tarbadju, nin manera ku ê ta pega tessu, i bida sugundu tarbadju pabia suma klientis ka ten pabia di pandemia ê pega tarbadju na obra dias di sumana, êl ku si fidju. “Paransa Deus pa nô pudi tarbadja ba son na alfaiataria” I miskinha.

Na Baixa ku ta djagassi pekaduris ku ta kontra ê raparti sê stória ku kumpanher, kusas ku ê passa na bida, língu, kulturas…i tem inda manga di stórias sukundidu suma ês di alfaiatis ku ta tisi kor pa prasa. Alfaiatis afrikanus, pakistanisis ou nepalisis, suma bideras di siti burmedju, kandja, malgueta, kúku di kadju di Guiné ku ta fadja prasa ku koris bonitu, kusas sabi ti tera dianti di ginginha. És nan i Lisboa, suma ku i sedu.


Karyna Gomes

É a jornalista responsável pelo projeto de jornalismo crioulo na Mensagem, no âmbito do projeto Newspectrum – em parceria com o site Lisboa Criola de Dino D’Santiago. Além de jornalista é cantora, guineense de mãe cabo-verdiana, e escolheu Lisboa para viver desde 2011. Estudou jornalismo no Brasil, e trabalhou na RTP, rádios locais na Guiné-Bissau, foi correspondente de do Jornal “A Semana” de Cabo verde e Associated Press, e trabalhou no mundo das ONG na Unicef e SNV.

Entre na conversa

3 Comentários

  1. boa tarde
    gostei do vosso artigo
    Eu tenho uma fabrica confeção na rua do desterro a 100m do Martin Moniz e estou a procura de alfaiates/costureiros para cozer a maquina roupa fatos e calças de homem e senhora
    Faco contrato de trabalho e pago todos os custos de legalização
    Empresa no ramo da confeção desde 1919
    http://www.regojo.pt
    obrigado

    obrigado

  2. Belíssimo trabalho. Rever estas figuras na capital portuguesa é um prazer, um ar fresco. Para a minha mulher e para mim, roupas lindas, coloridas – de Bissau, de Ziguinchor, de Bafatá. Como dizem alguns entrevistados, é pena a Guiné-Bissau não andar para a frente. Parabéns. Mantenhas pa tudus.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *