férias, segurança, casa
Ilustração: Nuno Saraiva

Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Tentar iludir os amigos do alheio

Durante as férias, dê a entender que a casa está ocupada: peça a alguém da sua confiança para, ocasionalmente, retirar a correspondência da caixa do correio, acender as luzes ou abrir e fechar as janelas. 

Cumprindo a velha máxima de que “o segredo é a alma do negócio”, a discrição é sempre um bom plano

Informe que vai de férias apenas a quem for necessário. Evite “publicar” nas redes sociais que vai de férias e isso inclui não postar selfies em locais de lazer. A máxima será publicar o que aconteceu e não o que está a acontecer.

Também será prudente não deixar mensagem no correio de voz do telefone a informar que a família está fora.

Compre uma boa fechadura e esta dica é válida para todos os dias!

Reforçar a fechadura da porta ou colocar grades nas janelas são obras que podem fazer a diferença na segurança da casa. Um sistema de alarme é uma alternativa, mas lembre-se que lhe pode ser exigida uma fidelização que ultrapassa largamente o período de férias. Informe-se bem antes de tomar uma decisão.

Esteja atento aos “tesouros” da família

Joias, obras de arte, coleções valiosas devem ser mantidas num local seguro, como o cofre de um banco. Se preferir, pode instalar um cofre em casa.

Não se esqueça de fazer uma lista pormenorizada dos bens, onde constem as principais características (por exemplo, dimensões) e os números de série, se for caso disso.

Tirar fotografias é boa ideia. Em caso de roubo, será mais fácil às autoridades localizarem e identificarem as peças.

Cuidados específicos para as áreas comuns do condomínio 

Devem existir regras claras sobre a segurança do espaço, como seja manter as portas de entrada fechadas ou não abrir a porta do prédio a estranhos. Deve ser assegurada uma boa iluminação, sobretudo junto das entradas e no acesso à garagem.

Sistema de videovigilância? Só com unanimidade de condóminos e arrendatários

Esta aprovação é mesmo obrigatória e o consentimento pode ser obtido individualmente, por escrito, ou em assembleia. Salientamos que se algum vizinho mudar a sua opinião, o sistema tem de ser desligado ou retirado.

A recolha de imagens 24 horas por dia pode provocar conflitos entre os vizinhos. Portanto, há que conseguir um equilíbrio. Por exemplo, as câmaras devem centrar-se nas áreas comuns, evitando sempre as portas de entrada das frações, os terraços ou as varandas de uso exclusivo de cada condómino.

Não é necessária a autorização prévia da Comissão Nacional de Proteção de Dados para se instalar este sistema no prédio.

A DECO pode apoiar! A DECO sempre consigo!


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.