Para falarmos de Lisboa e olhá-la a partir de outra perspetiva, podemos resgatar exemplos longínquos, mas de latitude semelhante, como Istambul. Esta cidade, que tanto se aproxima da nossa na sua construção encavalitada, nos elétricos e, especialmente, na luz e cores quentes, também partilha connosco elementos vivos que, em menor quantidade, povoam toda a cidade: os gatos.

Os nossos, sem ficar atrás na exuberância das peles, não são como os do Médio Oriente que, por se sentirem parte da cidade e de quem por ela deambula, deixam ver-se a qualquer hora prontos para amizades fugazes. Por cá, têm reservas, uma vida notívaga e só saem dos esconderijos porque têm diariamente refeição marcada com os cuidadores que, apareça sol ou caia chuva, e apesar das muitas contrariedades da cidade, se lhes dedicam.

É na freguesia de Campo de Ourique que se encontra a colónia “Meninos dos Prazeres”, uma em mais de mil registadas em Lisboa. E, porque onde há gato, embora não devesse, há sempre rato, o primeiro abrigo para estes “meninos” foi incendiado por um morador.

Débora Montez, uma veterana nestas andanças de gato e rato, para escudar os animais da crueldade humana, conquistou algo inédito junto da Câmara Municipal de Lisboa: uma chave para o terreno abandonado que via da janela. Esse pedaço de terra é agora um protetor jardim que serve de porto de abrigo para dezenas de gatos, um verdadeiro santuário.

O que vemos, cheio de vidas, a fazer paredes meias com o Cemitério dos Prazeres, é bonito, mas resultante de um trabalho árduo. Foram precisas muitas mãos arregaçarem as mangas para desbravar os avanços do que ficou fechado. O jardim foi o passo natural. Afinal, se “tem terra, vamos plantar”, diz Débora com um sorriso no sotaque que, apesar da passagem dos anos em Portugal, deixa escutar o Brasil.

Relva dos festivais e plantas da vizinhança

O recinto foi revestido com a relva que sobra dos festivais que Débora organiza, uma forma de reutilizar os materiais e controlar o crescimento de erva, retirada à medida que os canteiros avançam e ganham forma. As árvores de fruto existentes foram mantidas e acrescentadas outras. Alguns vizinhos trouxeram plantas e a falta de água canalizada foi resolvida pela solidariedade do vizinho Vasco, que enche regularmente os reservatórios.

Pode parecer que há casas a mais para o número de hóspedes, mas D. Madalena, a cuidadora que lá está diariamente, esclarece: “nem todos gostam de partilhar, uns são mais individualistas, tal como as pessoas”. Apesar de os gatos, conhecidos noutras bandas e tempos por intermediários de deus, não se prestarem às lides domésticas, esta cuidadora afirma que “isto é como tratar da nossa casa”.

Todos os dias é imperativo alimentar, lavar e substituir os utensílios para as refeições, sacudir os cobertores e varrer os abrigos. É a única forma de perceber se os “meninos” da família numerosa felina dormiram em casa, algo que, como cuidadora atenta, D. Madalena gosta de saber.

Esta mulher de 73 anos que tudo dedica aos animais, debaixo da mira julgadora da sociedade que não percebe o quê e o porquê do que faz, sente-se fora da lei. Quando é questionada acerca desta dedicação de longa data, riposta: “Se não me metesse nisto, que estaria eu a fazer? Em casa a ver televisão? Já teria morrido.”

Oferece-nos uma planta suculenta e partilha o projeto de vender este tipo de plantas online. Afinal, há que aproveitar a benção desta encosta soalheira, criando uma forma de financiar uma boa ação que todos os meses custa centenas de euros.



Apelo para os turistas

Por esta colónia, até à data, já passaram uns 90 gatos. Este controlo feito com alguma ajuda da Casa dos Animais de Lisboa (CAL), deve-se principalmente à promoção de adoções responsáveis e às esterilizações, na sua maioria realizadas por Margarida Lopes, da Clínica Veterinária Infante Santo, cobrando apenas o valor do material.

Uma colónia, tal como um jardim, é um processo sem fim – tantos são os abandonos diários. No caso dos gatos, os abandonos são tão silenciosos que tornam impossível fechar o ciclo. Ainda não há muito tempo, a resposta da cidade a estes inquilinos era a eutanásia. Existe, agora, o CED – Capturar, Esterilizar, Devolver -, um programa implementado pela CAL que, apesar da pandemia e de não conseguir chegar a todo o lado como gostaria, nunca parou. “Mesmo com as pessoas maravilhosas que lá trabalham, faltam recursos. Como a nossa colónia, existem outras mil”, diz quem cuida.

O futuro para estas guardiãs adivinha-se semelhante, que gostariam que o espaço pudesse, com grande cautela, ser aberto a alguns públicos, especialmente crianças, de forma que um dia não sejam necessários muros entre pessoas e animais. No decorrer desta pandemia, chegaram, inclusivamente, a convidar adultos para que, neste espaço, com a devida distância e ao ar livre, convivessem, mas do outro lado pouco foi o entusiasmo.

Parece que o apelo é maior aos olhos dos turistas, que descem a rua depois de uma viagem no eterno 28. Atraídos primeiramente pela Fonte Santa, acabam por ir lá bater. Diz-se desta nascente, que é a única parte que resta da Quinta dos Prazeres, que jorrou água capaz de curar a peste.

São muitos os gatos que escolhem a segurança das paredes ajardinadas numa cidade que ainda não é para eles e porque fica mal encerrar um texto sobre um jardim sem fazer um convite, deixamos o desafio de contribuir para ajudar a aliviar os anos voluntários que pesam nos cuidadores, seja através de ajuda física, comida ou vegetação para que o jardim continue a florescer e os gatos a bem viver.

Quem quiser ajudar os gatos pode entrar em contacto através desta página.

* Depois da reportagem da Mensagem e do impacto que teve, este Jardim em Campo de Ourique passou a ter um horário: todos os dias das 11h30 às 13h00, para jardins infantis, e das 17h00 às 19h00, para particulares, mediante marcação por mensagem para 964477884 ou e-mail para mmsg1948@gmail.com.


*Leonardo Rodrigues é aluno de Ciências de Comunicação, na Universidade Nova, e também autor do projeto Lisboa Quase Verde. É autor do blog Leonismos.com


Entre na conversa

51 Comentários

  1. A Débora e a dona Madalena são incríveis no cuidado com esses lindos moradores!
    Pude viver de perto todo amor e cuidado impecáveis que elas dedicam ao terreno!
    Cada ano que passa elas transformam o lugar em algo ainda mais especial!

  2. Uma missão nunca se concretiza sozinha, muitas pessoas me ajudaram a todos meu eterno agradecimento, toda ajuda por mais pequena que seja é importante, obrigada Leonardo por da vós a essa ideia!

  3. Muitos Parabéns, algum reconhecimento do vosso trabalho pode incentivar outras pessoas também e mostrar como se devem tratar os animais. Obrigada por cada pic-nic que já fizemos e que ainda vamos fazer!

  4. Que iniciativa linda! Está tudo lindo! Parabéns a quem teve a ideia e desenvolveu!

  5. Que espetáculo. Um paraíso. Trabalho maravilhoso. Que Deus abençoe vocês. Por mais pessoas assim!!!!

  6. Estou encantada com a iniciativa e a dedicação das pessoas envolvidas nesse projeto. A ideia de visitas ao local por crianças seria de muito bom tom para termos uma geração mais responsável em relação ao cuidado com os animais.

  7. Adorei este artigo. As fotos sao Linda’s e o trabalho da Debora (minha querida amiga) e da dona Madalena e um excelente exemplo de cidadania e humanida. Estas duas mulheres mudaram para melhor a linda cidade de Lisboa, Provaram que com esforco e imaginacao se pode alcancar um Oasis um cantinho de Verde e tornar a nossa cidade cada vez mais Linda e humanitaria. Obrigada pelo vosso esforco.

  8. Foi com a doação de um gato desse jardim que uma senhora, minha amiga voltou a ter alegria. Uma senhora que estava sempre doente e várias vezes dava entrada nas urgências com início de enfarte , sua tensão estava sempre descontrolada. Uma vida sedentária sem alegria. Eu falei com o filho dela para dá-lhe um gato, ele aceitou .
    Só tenho a dizer que a vida da minha amiga D. Alice, passou a ter alegria, ocupação , companhia e acabaram as constantes noite das urgências.
    Eu, Maria dos Prazeres Santos, parabenizo Débora Montes a fundadora desse jardim dos gatos e a todos colaboradores pela boa ação aos animais.

  9. Que coisa mais linda! Há tantos espaços nas cidades com subutilização, ou mesmo planejados estritamente para pessoas, que penso ser um grande acerto pensar nos felinos. Merecem seu lugar na cidade, pois também fazem parte dela.

  10. Conheço desde há muito, muito tempo, o esforço e dedicação de Débora Montez, que não se inibe de dedicar o seu tempo e recursos financeiros, para fazer fazer mais e melhor, por qualquer felino com o qual se cruze. É de enaltecer a dedicação e empenho que imprimiu junto das entidades para ter acesso a um terreno baldio, totalmente desprezado até então, pela edilidade e residentes. Não são só os gatinhos, que saem beneficiados com esta iniciativa por terem agora onde encontrar acolhimento, mas também a cidade que vê assim, com base na iniciativa de munícipes anónimos, privilegiado e dinamizado um recurso que se encontrava totalmente ao abandono. Bem haja à D. Madalena que cuida diariamente daqueles “meninos” literalmente como se fossem família.
    Um reconhecimento a todos quantos ajudaram estas 2 grandes mulheres a cumprirem o sonho de, assegurar uma colónia onde gatinhos possam encontrar comida, acolhimento e cuidados de saúde.

  11. Que projeto lindo!!! Sou apaixonada por gatos!!! Parabéns aos cuidadores envolvidos nessa tarefa e parabéns pela divulgação da matéria neste espaço!!! Sucesso a todos!!!

  12. Admirável! Fantastico…
    Moro perto e não sabia. Não me estou a situar bem face ao próprio cemitério, mas hei de tentar ir visitar-vos a todos.
    E muito, muito obrigada pelo vosso trabalho, pelo apoio aos animais que são tão especiais!

  13. Que trabalho voluntário maravilhoso, que transformou um local abandonado num jardim digno de visitação. Madalena e Débora fiquem certas que esse tipo de dedicação com os bichanos, ainda nos deixa esperançosos num mundo melhor, onde a ganância seja substituída pelo amor e caridade. Parabéns

  14. Muito bem, grande exemplo de bondade e humanidade, com respeito por estes seres vivos maravilhosos. Ponham os olhos, todas as freguesias do país, que deviam ajudar a criar espaços como este. BEM HAJA

  15. BEM HAJA, MARAVILHOSO TRABALHO E DEDICAÇÃO A ESTES SERES VIVOS MARAVILHOSOS. PONHAM OS OLHOS JUNTAS DE FREGUESIAS!! ISTO É UM EXEMPLO DE HUMANIDADE , BONDADE E RSPEITO PELA VIDA.

  16. Acho maravilhoso. Bem haja quem lutou e luta por tal real acção. Amo os felinos de paixão, por isso tenho 7 comigo, dois meninos e cinco meninas, uma com quase 13 anos, dois filhos dela que ajudei a nascer, uma quase veio de Alenquer e as outras 3 meninas retiradas da rua. Mais teria, mas já não é possível. Amo-vos de paixão. São os meus filho de 4 Patinhas.

  17. Parabéns, a todos as pessoas envolvidas neste projecto lindo.
    É tão gratificante esta partilha entre o ser humano e estes seres de luz. O Mundo seria abençoado se ouve se compreensão que todos os animais fazem parte do nosso planeta!
    O meu bem haja a esta equipa maravilhosa
    Parabéns a Camara de Lisboa, Cal e a todos envolvidos neste projecto

  18. Parabéns à Débora pela iniciativa e que fez acontecer a existência deste espaço, D Margarida e todos os que colaboram na continuidade do mesmo e que outros municípios façam acontecer exemplos como este.

  19. Muitos parabéns pela iniciativa e implementação deste projecto!
    Muito Top!

  20. Grande artigo, escrito com muita sensibilidade e bom gosto! Grande trabalho de voluntariado em prol do bem estar dos animais. Respeito pela vida! Muitos parabéns!

  21. Parabéns!!! Continuem este maravilhoso trabalho. Beijos e abraços calorosos aos gatos e às pessoas.

  22. Parabéns pelo maravilhoso trabalho! É de enaltecer toda a dedicação que têm por estes seres.

  23. Muito lindo esse trabalho de amor!!! Parabéns a todos envolvidos mesmo. Sabemos que não somos nada sozinhos e que juntos somos muito mais fortes!!!

  24. Muito legal a reportagem, valorizar o trabalho dessas pessoas que olham pelos bichinhos que enchem nossas vidas de alegria é o mesmo que propagar o bem, incentivar outras pessoas a fazerem o bem.

  25. Parabéns pela iniciativa! Não me surpreende o empenho e carinho pelos animais de Débora , sempre pensando no próximo! Ficou lindo !

  26. Bem haja grande senhora tantos terrenos abandonados e ninguém faz nada, está senhora tem todo o meu louvor pois também os defendo e tenho uma colónia numas hortas tudo de bom para si e seus meninos

  27. O vosso trabalho é maravilhoso.
    Parabéns a todos os intervenientes no processo e também à CML e à CAL, que tornaram possível o vosso sonho,

  28. Adorei ler este artigo. Pessoas fantásticas que dedicam o seu tempo ao bem-estar dos animais, neste caso dos gatinhos. O espaço está lindo, como os gatinhos se devem sentir protegidos! Um bem haja a estas Senhoras.

  29. Estas Senhoras mostram-nos que ainda vale a pena acreditar no Ser Humano! Obrigada

  30. Adorei
    Que coração grande
    Parabéns a todos que participaram!
    É possível visitar?

  31. Como lisboeta e humano agradeço vos por todo esse belo trabalho bj

  32. Muitos parabéns pela incrível iniciativa. É lindo ver este amor e cuidado dedicados à comunidade felina que bom exemplo!

  33. Perfeito, parabéns, que os gatinhos tenham sempre um lugar lindo assim para viver.

  34. Que amor demonstrado para com estes animais. A criação é linda e mostrar altruísmo é maravilhoso. Muitas felicidades com este projecto e que tenham muitas ajudas

  35. Adorei ler esta publicação e saber que há pessoas com um grande coração que fizeram e continuam a fazer bem aos animais abandonados e a embelezar com jardins lugares abandonados que só atraíram lixos e bichos não muito saudáveis para a saúde pública. Eu nasci e fui criada e casei na igreja de St. Condestável e também nasceu aí a minha filha. Apesar de já não morar aí vou frequentemente visitar amigos e familiares porque campo de Ourique está sempre no nosso coração. Gostaria de saber o que posso doar para ajudar Estas Senhoras a continuarem a fazer bem tanto á paisagem como aos animais. Bem hajam tem toda a minha admiração!

  36. Adorei conhecer esta historia! Parabéns a Débora e todos os demais envolvidos, incluindo os agentes públicos que visualizaram a importancia desse projeto, autorizando-o. Muito, muito legal! Que se multiplique!

  37. Que bom saber que há quem se dedique assim aos animais. Que bom saber que há quem lute assim contra a maldade e a indiferença de boa parte dos “humanos”, dedicando a vida a estes pequenos seres. Sou uma eterna apaixonada por gatos e nem sei o que é viver sem a companhia de um. Quando voltar a Lisboa, faço questão de ir visitar este local.
    Obrigada a todos os intervenientes por cuidarem destes seres incríveis e amorosos…

  38. é bom que existam pessoas assim, continuem a ajudar os gatinhos. Gosto muito desses bichinhos.

  39. Tantas palavras lindas que vão ao encontro daquilo que eu penso.
    Costumo dizer que em “outra vida”, eu deveria ter sido, certamente um gato, tal é o pesar que sinto, com o sofrimento, maus tratos e o abandono, desses pequenos seres indefesos.
    Por isso a essas pessoas maravilhosas, lhes desejo o melhor que o mundo lhes possa dar.
    Termino contando a seguinte situação.
    Aonde eu moro, sempre vi gatos de rua.
    Porém há pouco tempo soube que uma Sra. que tinha gatos em casa, não sei a causa, resolveu atirá-los pela janela. Pelo menos três.
    Um desses gatos, resolveu acoitar-se mais, junto e na entrada do meu prédio.
    Já vi pessoas a dar-lhe (s) comida e já vi pessoas escorraçá-lo (s).
    Porém mantém-se por aqui, humilde, meigo e carente.
    Existem cães mas não tem medo, porque a dona também tinha dois em casa.
    Eu tenho quatro gatas que eram abandonadas e sinto-me impotente.
    Peço desculpa mas alguém me poderia dizer, a quem me dirigir, para que possa realmente resolver esta situação?
    Sei que o Presidente da Junta da Ajuda tem resolvido várias situações de abandono mas eu moro na freguesia de Alcântara e desconheço os seus afazeres.

    Desde já, desejo as maiores felicidades para todos.

  40. Eu adoro gatos p isso assim q os vejo na rua dou sempre comida aqui onde resido no Algarve, gostaria de ver esse jardim p Gatos ou sejam Tininas q é um termo carinhoso. Um dia quando voltar a Lisboa será a minha prioridade ir visitar esses Tininas e levar pates granulado ou outras guloseimas felinas. Saudações à D. Débora que se dedica ao bem estar felino. Saudações. Maria Margarida

  41. TALVEZ A MELHOR “RÉGUA” PARA MEDIR O NÍVEL DE CONSCIÊNCIA OU DE EVOLUÇÃO CIVILIZATÓRIA, TANTO DE INDIVÍDUOS QUANTO DE SOCIEDADES OU NAÇÃO, SEJA O RESPEITO PELOS DIREITOS DOS ANIMAIS, NÃO SÓ DE FORMA PASSIVA COMO ATIVAMENTE, ATÉ PORQUE É IMPOSSÍVEL IMAGINAR UM PLANETA MINIMAMENTE DIGNO E JUSTO PARA SE VIVER, SEM A PRESENÇA DOS ANIMAIS OU COM ESTES SENDO ULTRAJADOS, DESRESPEITADOS, PERSEGUIDOS, USADOS E CRUEL, COVARDE E SADICAMENTE MORTOS,
    EXTERMINADOS, PELO PIOR DOS SERES VIVOS OS HUMANOS!

  42. Surpreendida pelos comentários maravilhosos das pessoas que gostam dos animais fico ainda mais feliz pelo trabalho que desempenhamos na colonia e pelo interesse dos visitantes . para visitas informo o horario das 11 as 13h para colegios e particulares e de tarde das 17 às 19h para particulares , marcação para mmsg1948@gmail.com, ou para a pagina faceb “Colonia Meninos dos Prazeres”. Bem hajam os amigos dos gatinhos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *