Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Depois de três anos a sofrer de uma doença rara na pele que levou a várias hospitalizações, a mãe de Diogo voltou a casa para o surpreender, mas a surpresa boa durou pouco tempo. Dias depois, ela teve um AVC em frente à escola do Diogo e teve de enfrentar um longo período de recuperação.

Esta história tinha tudo para ser triste, mas foi o embrião de um percurso de superação e de conquistas na vida do jovem cabeleireiro de rastas e fotógrafo que nasceu e cresceu nos Moinhos da Funcheira na Amadora, num ambiente de diversidade, mas também de muita exclusão social e estigma.

Diogo é o último de três irmãos, o único que permanece em Portugal. Nunca quis sair do país nem da cidade nem do bairro da Amadora e cedo percebeu que queria fazer alguma coisa para ajudar a mudar a narrativa sobre a sua comunidade, só não sabia como.

Foto: Orlando Almeida

Os irmãos, Tiago e Suzana, migraram para a Irlanda onde trabalham há cerca de oito anos. Já a viragem na vida de Diogo começou em maio de 2020, quando, no meio da dor por causa da doença da mãe, o fotógrafo resolveu criar uma oportunidade para si e outras tantas para as gentes da comunidade dele, através da teleobjetiva da sua câmara fotográfica. “Tinha vontade de fotografar tudo e todos que via à minha frente e não sabia porquê”.

É verdade que a vida nem sempre lhe sorriu, mas foi na dor que descobriu o que considera ser o seu caminho. Um pouco antes de concluir o 12.º ano, já trabalhava a fazer rastas (dreadlocks) – profissão que continua a exercer paralelamente – e estava a tirar um curso de fotografia. Foi então que “o bichinho de fotografar e editar fotografias surgiu”.

Desesperado, sem saber o que fazer, enquanto a mãe recuperava do AVC, começou a contar a sua primeira história. “Sempre gostei de documentários e histórias de vida… e comecei com a minha mãe! Fotografei-a, contei a história dela e postei no Instagram. Teve um grande impacto e depois disso não parei. Eram milhares de visualizações!”

Foi então que Diogo se apercebeu que com a sua objetiva poderia ajudar pessoas, ou simplesmente fazer que a ajuda chegasse até elas e, para mais, de uma forma poética com narrativas delas próprias na primeira pessoa postadas ali mesmo no seu Instagram.

1 / 8

Criou uma página nessa rede social e chamou-lhe Street Art. Começou a postar fotos com textos que relatam a vida das gentes que cruzaram o seu caminho e aceitaram ser fotografadas. “Às vezes elas mesmas me contactam para me contar as suas histórias e serem fotografadas por mim. Eu leio e vou atrás delas. Tem sido uma boa experiência!”

E não é que a página começou a crescer e a ter adesão? Hoje com apenas 24 anos, já tem várias histórias contadas e muitas ainda para contar somadas a outros projetos e sonhos que tem para o futuro. Com a teleobjetiva continua a retratar pessoas e com o gravador do telemóvel regista o que elas querem dizer de si e das suas vivências.

Daí surgem naturalmente, no lugar da fala, inúmeras temáticas como o racismo e outros tipos de discriminação, exclusão social e violência doméstica, mas também histórias de superação e de vitória. “Quando falo com as pessoas o importante é o que elas têm para dizer. Eu não faço perguntas… simplesmente deixo-me levar pelo que elas têm a dizer e disponibilizo as histórias delas num canal para alcançar mais pessoas”.

A liberdade é importante para o fotógrafo.

Começou a fazer fotos de pessoas que foi descobrindo e que sentia que precisavam de ser ouvidas e foi construindo a sua página “como se fosse uma árvore” diz. As pessoas que fotografava – muitas com problemas de depressão, de aceitação e de exclusão social – começaram a ser ajudadas por quem tinha acesso à página do Diogo. São histórias que captam a atenção de outras pessoas, que se identificam com elas ou simplesmente querem ajudar.

Dona Irene foi uma das retratadas por Diogo Ferreira, que contou a históra dela. Ver-se numa exposição no Maat, em Lisboa, foi surpreendente. Foto: Diogo Ferreira

Como a história da dona Irene, que sofreu de violência doméstica depois de o marido ter voltado da guerra colonial, em 1974, com muitos traumas. Batia nela e nos filhos. Uma vida marcada pelas dificuldades, pelo sofrimento e pela perda de três filhos. A D. Irene e as outras pessoas retratadas foram construindo o mural de fotografias que compõem a obra de Diogo.

Este trabalho fez com que inesperadamente Diogo chamasse a atenção de curadores que apoiam organizações da sua comunidade como a Associação do Pendão, que frequenta com alguma assiduidade, e, em 2021, expôs pela primeira vez o seu trabalho no Museu Urbano de Sintra, MUSA.

Mas não ficou por aí e logo em seguida recebeu um convite de António Brito Guterres e de Vhils para expor no Museu De Arte e Arquitetura, MAAT na exposição Interferências que decorreu entre março e setembro de 2022.

Foto: Orlando Almeida

“É muito bom conhecer as pessoas boas certas. A página Street Art trouxe o que eu sonhava e achava que ia levar muito mais tempo para conseguir. Já conhecia Vhils e o seu trabalho, mas daí a ele seguir-me na rede social e eu fazer parte de um cartaz em que ele está presente e é curador, foi algo incrível! Não estava à espera que fosse assim tão rápido… era um sonho!”

Mas Diogo ressalta que “Apesar de a exposição Interferências ter sido um sucesso e ter angariado muitos seguidores novos, houve quem contestasse com postagens fascistas nas redes sociais do museu. Como se a nossa arte da periferia não fosse relevante”.

https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2022/10/0326346e-46f0-4cc1-a328-cc09cdbe1c85.mp4
Dayane e a irmã Letícia foram ao Maat, ver os retratos do Diogo Ferreira, de que são também protagnistas. Vídeo: D.R.

Para o futuro, sem exposições em mente para 2023, Diogo está com um projeto novo que resultará num livro sobre algum lugar do mundo que irá visitar, longe das “fachadas turísticas” para ter contacto com a realidade, diz. Não há datas, mas há intenção. O trabalho que desenvolve diariamente na sua página Street Art, para além das exposições que proporcionou, também já lhe deu várias outras oportunidades, como a participação em programas de televisão e de radio.

Enquanto espera pela concretização do livro, está a desenvolver um novo projeto a que chama de “Poesia de Rua”, em que dá voz a inúmeros músicos, rappers e poetas que se exprimem a capela com melodias ou rimas simplesmente para valorizar a periferia, exortar os seus valores e desconstruir narrativas que a denigrem.

É em Lisboa, cidade que respira diversidade e cada vez mais procura dar espaço à essa multiculturalidade que dela deriva e descobre talentos, que Diogo Luís Moita Ferreira ou simplesmente Diogo, de 24 anos, luta para construir seu próprio percurso, contrariando a corrente de muitos jovens da periferia que diariamente desistem de si próprios por causa das circunstâncias.


Manera ki Diogo ta ôdja gêntis di piriferia ku un konviti di Vihls pa spôi na MAAT…

Ê na Lisboa ki Diogo Ferreira ta luta pa fasi si kaminhu di futógrafu, undi ki ê ta dâ vós pa ken ki ka ten vós i ê ta kontraria distinu di um monti di joven di piriferia ki tudu dia da disisti di sês kabesa.

Diogo participou, a covite de Vhils, na exposição Interferências /Culturas Urbanas Emergentes, no Maat. Foto: Orlando Almeida.

Dipôs di três anu ta sufri di un duensa raru na peli, mãi di Diogo Ferreira volta pa kasa pa fasêl un surpresa ki ka dura txêu. Dias dipôs, ê têvi un AVC na porta di skóla di Diogo ki fasêl fika txêu tenpu ta recupera.

Stória li tinha tudu pa ser tristi, mas ê foi raís di um kaminhu di superason i di konkista na bida di ês joven kabelereru di rasta i futógrafu, ki nanci na Moinhos da Funcheira bairu di Amadora, na un anbienti di diversidadi, ma tanbé di txêu skluson susial ku stigma.

Diogo ê último di si três irmons, uniku ki fika na Portugal ta vivi. Nunka ê kis sai di país, nen di sidadi, nen di si bairu, i sédu ê persêbi ma ê kria fasêba algun kusa pa djuda muda narativa di si bairu i di si kumunidadi, ma ê ka sabia modi.

Sis irmon, Tiago ku Suzana, migra pa Irlanda undi ki ês sta ta trabadja dja tem serca di oitu anu. Ma dja mudansa na bida di Diogo kumêsa na maio di 2020, kantu ki, na meio di dor pamódi di duensa di si mãi, ê risolvi kria un oportunidadi pa êl i pa un monti di gentis di si kumunidadi, através di teleobjetiva di si mákina di futugrafia. “N’tinha bontadi di futugrafa tudu algén i tudu kusa ki n’odjaba nha frenti, n’ka sabêba pamódi”.

Foto: Orlando Almeida

Ê si mê, ma bida ka kóri sénpri ben ku Diogo Ferreira, mas foi na dor ki ê diskubri kêl ki ê ta konsidera si kaminhu. Un bokadu antis di ê kaba 12º anu, ê ta trabadjaba ta konpu kabelu di rasta (dreadlocks) – profison ki ti hoji ê ta ixersi paralelamenti – ê staba ta trâ un kursu di futugrafia. Foi di la n’ton ki “n’panha kêl bitchu di trâ fotu ku idita imajen.”

Disisperadu, sen sabi kusé ki ê ta fasi, enkuantu mãi staba ta rekupera di kêl AVC, ê kumêsa ta konta si primeru stória. “ami sénpri n’gosta di dukumentáriu i stórias di bida …i n’kumêsa ta konta stória di nha mãi! N’trâl fotu, n’konta si stória, n’posta na Instagram. Têvi un grandi impaktu ki dipôs di kelâ n’ka pára mas. Tinha miliaris di visualisason!”

Foi di la ki Diogo persêbi ma ku si objetiva ê pudia djudaba gentis, ou sinplismenti fasi adjuda txiga ti ês, inda ki di un manera puétiku ku sês narativas ta konta sês stória na primeru pessoa, postadu dipôs na si Instagram.

2 / 7

Ê kria un pájina na ês redi susial i ê o txômal Street Art… ê kumêsa ta posta fotus ku testu ki ta rilata bidas di gentis ki cruza si kaminhu i ki seta ser futugrafadu. “As bês ê ês própi ki ta manda mensajen na nha Instagram ta pidi pa n’futugrafâs. Nta lé, nta bai sês trás. Sta ser un bon speriênsia!”

Pájina kumêsa ta teni txêu adeson! Ôji ku 24 anu, dja ê ten txêu stórias kontadu i un monti inda pa ben konta, djuntadu ku ôtus prujetus i sonhus pa futuru. Ku teleobjetiva ê sta kontinua futugrafa gentis i ku si gravador di telemóvel ê ta grava kusé ki ês kré fala di sês convivênsia.

Di la ki ta ben di manera natural, na lugar di fala, um monti di tema sima rasismu i otus tipu di diskriminason, skluson susial ku viulênsia dumestika, mas també stórias di superason ku vitória. “Ora ki mi nta papia ku gentis ê inportanti pa ês papia kusé ki ês kré. N’ka ta fasês pergunta… ami sinplismenti nta dêxa ês papia kêl ki ês ten pa papia i dipôs nta dispunibilisa sês stória na un canal pa pôdi txiga, na mas gentis”.

A liberdade é importante para o fotógrafo.

https://amensagem.pt/wp-content/uploads/2022/10/f7fd0aac-d94b-4ffb-91bd-b44a2a7e1f55.mp4
Foi uma emoção para as pessoas retratadas por Diogo Ferreira verem-se nas paredes de um museu como o Maat, em Lisboa. Vídeo: D.R.

Ê kumêsa ta fasi fotus di gentis ki ê ba ta diskubri i ki ê xinti ma ês mesteba ser obidu, i ê ba ta kompu si pájina “sima un árvri” ê fla. Gentis ki ê ta futugrafaba – um monti dês ku dipreson, aseitason i di skluson susial – kumêsa ta rasebi adjuda di ken ki ten asesu a pájina di Diogo. Stória ki ta txoma atenson di otus gentis ki ta identifica ku ês ou ki sinplismenti kré djuda.

Sima stória di Dona Irene, ki sufri ku viulênsia dumestika dipôs ki si maridu volta di gera kolonial na 1974 ku txêu trauma. Ê ta sotaba el ku si fidjus. Un bida markadu pa difikuldadi, pa sufrimentu i pa perda di três fidju. D. Irene ku ôtus gentis futugrafadu, ba ta kompu mural di futugrafia, ki djuntadu, ta forma obra di Diogo.

Pamódi ês trabadju, Diogo kumêsa ta txoma atenson di kuradoris ki ta apoia organisasons di kumunidadis sima Associação do Pendão, ki ê ta frekuenta txêu bês, i ki na 2021 fasêl spôi pa primeru bês na Museu Urbano de Sintra, MUSA.

Ma ê ka pára li, pamódi dipôs ê ben ser kumbidadu pa António Brito Guterres e Vhils pa spôi na Museu De Arte e Arquitetura, MAAT na sposison Interferências ki dikori entri Marsu i Sitembro di 2022.

Foto: Orlando Almeida

“ê bon dimás ora ki bu konxi gentis drêtu i sertu. Pájina Street Art trasen kêl ki n’ta sunhaba i ki n’ta atxaba ma ta dura ki kontisi. Ami dja n’konxêba Vhils ku si trabadju, mas di la pa ê sigin na Instagram i dipôs bem kunbidan pa spôi na un trabadju ki el tanbé ê spôi dentu del i el é kurador, foi un kusa inkrível! Nka staba ta spêra ma ta binha ser fáxi di ês manera”.

Ma Diogo ta flâ ma “apisar di sposison Interferências fasi txêu susesu i di nu konsigi un monti di sigidor nobu, têvi alguns ki kontesta ku postajen fascista na redi susial. Sima si nos arti di piriferia ka ten valor”.

Pa futuru, sem sposison markadu pa 2023, Diogo sta ku prujetu nobu ki ta ben ser un libru ki ta papia di algun tera ki ê sta ben visita, “lonji di turismo konvensional” pa pôdi ten kontaktu ku rialidadi, ê fla. Ka ten data, ma ten vontadi. Trabadju ki ê sta fasi tudu dia na pájina Street Art, pa alén di sposison ki dja ê fasi, tanbé dja dal oportunidadi di partisipa na prugrama di televison i radio.

Enkuantu ê sta spêra libro, ê sta trabadja na un prujetu nobu ki txoma “Poesia de Rua”, na undi ki ê ta da vós pa músicos, rappers i puetas ki ta spresa a capela ku kantigas ou rima sinplismenti pa valorisa piriferia, trâsi sês valor pa riba, kaba ku mau narativa ki ta denigris.

Ê na Lisboa, sidadi ki ta rispira diversidadi ki kada bês más ta buska dâ spasu pa kêl monti di kultura ki sta dentu del, ki Diogo Luís Moita Ferreira ou só Diogo, di 24 anu di idadi, ta luta pa kompu si kaminhu kontra tudu kêl korenti di txêu joven di piriferia ki tudu dia ta disisti di ês propi pamódi sirkunstansia.


O jornalismo que a Mensagem de Lisboa faz dantes pagava-se com anúncios e venda de jornais. Esses tempos acabaram – hoje são apenas o negócio das grandes plataformas. O jornalismo, hoje, é uma questão de serviço e de comunidade. Se gosta do que fazemos na Mensagem, se gosta de fazer parte desta comunidade, ajude-nos a crescer, ir para zonas que pouco se conhecem. Por isso, precisamos de si. Junte-se a nós e contribua:


Karyna Gomes

É a jornalista responsável pelo projeto de jornalismo crioulo na Mensagem, no âmbito do projeto Newspectrum – em parceria com o site Lisboa Criola de Dino D’Santiago. Além de jornalista é cantora, guineense de mãe cabo-verdiana, e escolheu Lisboa para viver desde 2011. Estudou jornalismo no Brasil, e trabalhou na RTP, rádios locais na Guiné-Bissau, foi correspondente de do Jornal “A Semana” de Cabo verde e Associated Press, e trabalhou no mundo das ONG na Unicef e SNV.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *