Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

The Home Lisbon Hostel doesn’t really need to show off. The moment you walk in, any idea you have of what a hostel should be like goes out the window. The place is warm and welcoming and stylishly designed with wooden interiors adorned and family portraits. I suppose you could be home.

Isabel Mesquita is Mamma – one of the owners of Home Lisbon Hostel. She arrives most days at about 6 o clock with a couple of shopping bags of necessities. I am afraid to ask her age – but let’s just say – she looks like a Mamma.

When Mamma walks in the door of her hostel she is greeted like a celebrity. She has afterall made dinner for backpackers and tourists for 16 years. Some of the walls in Home Lisbon Hostel have letters from people around the world – expressing their love and affection for her.

Mamma has a perfectly designed kitchen to prepare dinner. Tonight’s dinner will be for 36 people.

“Tonight, it’s duck with rice.”

Occasionally someone comes into the kitchen and greets Mamma with a hug. Mamma is the Mamma to all in the hostel clearly.

“I am from Porto, originally, but I came to Lisbon in my 20s to finish my studies. I became an occupational therapist. Then I got married and I stayed. I love the city.”

Why a hostel?

“The idea was my son’s. At the time there were not many hostels in Lisbon. Me and my husband helped him with money. It was very small at the beginning, and it started expanding. We have 120 beds now.”’

In the kitchen there is a wonderful illustration of Mamma with the words underneath ‘Wash Your Dishes.’ The branding is on point. So much so that you can even buy Mamma’s cookbook for just 5 euros. A bargain.

Despite Mamma seeming like the sweet motherly type, don’t be fooled – you have a sense that she knows what’s going on in every aspect of the business. She could be the Portuguese Martha Stewart. “I like Martha Stewart.” she says.

Mamma gets about preparing dinner while I roam about awkwardly in the background. I feel like I should be helping. I offer my services. But she’s ok. She’s on top of it.

As Mamma is making the dinner the bar of Home Lisbon Hostel fills up. There is a buzz in the air, as the people are excited to having got a seat at Mammas table. You need to get your name on the list early if you are going to be part of the experience.

“What I do here is the same as when I was young in my family. We were 9 children. We used to have lots of friends and family over for dinner.”

I build up some confidence and ask Mamma what age she is. But she won’t tell me. She continues peeling the onions. I want to cry.

“I was a therapist working with children with mental health problems. I was getting a bit tired of my job. My son suggested that I come to the hostel to make dinners. So, I decided to quit what I was doing, and I have made the dinners ever since. At the beginning they were very small dinners, and little by little they have become… parties.”

Every night, Mamma seats at the the top of the table, whith her guests. Photo: Rita Ansone

What gives Mammas dinner a particular charm, is that she actually sits at the top of the table and has dinner with the visitors. Her chair has a small plaque that says ‘Mamma.’

How does Mamma deal with all the other nationalities? “I speak French, Spanish and I’m still studying Italian. I love to speak other languages.”

The large pots with their various concoctions are coming to the boil. The delicious smells begin to fill the air. Mamma asks me to open a jar. I can’t do it rather embarrassingly. She takes it back from my hand and pops it open. I’m humiliated.

Mamma turns on the radio. She likes to cook with music playing. “I like Arcade Fire, The National and Cigarettes After Sex.” Wow. Speechless.

Thankfully Mamma now has an assistant helping her. Dinner time is approaching – 8 o’clock every night. She is already on to preparing the dessert. “I’m going to bake a cake” she says as she gets a whisker to work on a delicious looking mixture. I want to lick the spoon.

I must ask, what is the secret of a long healthy life? “I go to the gym several times a week. I do pilates. I do weights. I run. And I sleep well.”

The bar is now bustling. Along with people getting ready for dinner, the hostel is checking in people. Things in the kitchen are getting intense. Things are begging to sizzle. Literally. Candles are lit in the dining room, and people begin taking seats around the large, long table.

Mamma Dinner is a fantastic place to meet people and talk. Photo: Rita Ansone

Mamma’s Dinner is clearly a fantastic place to speak to others. One can’t imagine how many long-lasting friendships, and romances started around Isabel’s dinner table.

“Where are you from?” is a common opening line you hear as people are getting acquainted.

Finally, it’s time for food. Mamma personally dishes out a bowl of soup for everyone. After that she rolls out the main course – the delicious duck rice she promised.

She invites people to come up to her to get their food. This allows her to greet and say hello to everyone visiting. This particular gathering has a lot of Canadians, a few Americans, a number of Germans… one from Hong Kong… one from Singapore.

Chatter now fills the room. Everyone is having a great time.

The sky gets darker outside, making the room feel warmer. There is a red glow now and the room is full of atmosphere. To everyone gathered, it’s a unique unforgettable experience. To Mamma it’s just another day at the hostel.

After the dessert she stands up at the top of the table and raises a glass on ginjinha. Everyone gets a glass.

“In Portugal we say Saúde”

“Saúde” the people say in unison.

“And remember… it’s not a shot,” in what has become Mammas catchphrase.

Mamma heads back to the kitchen to wrap things up.

Are you joining the pub crawl? I ask.

“Not tonight.”

Follow People of Lisbon, here. Support People of Lisbon on Patreon

Home Lisbon Hostel. Com a Mamma Isabel há um lugar à mesa para todo o mundo

Todas as noites em Lisboa há um lugar onde a “Mamma” faz o jantar para um grande grupo de pessoas de todo o mundo. Esse lugar é o Home. Home Lisbon Hostel para ser mais preciso – um dos melhores do mundo. Sabe-se isso porque quando se entra naquele espaço, na R. de São Nicolau, pode ver-se uma parede cheia de prémios e elogios.

O Home Lisbon Hostel não precisa propriamente de se vangloriar. Quando se entra ali, qualquer ideia que se tenha de como um hostel deve ser sai pela janela. O lugar é caloroso e acolhedor e elegantemente projetado e decorado com interiores de madeira e retratos de família. É como estar em casa.

Isabel Mesquita é a “Mamma” – uma das donas do Home Lisbon Hostel. Chega quase todos os dias por volta das seis com vários sacos de compras. Tenho medo de lhe perguntar a idade – por isso digamos apenas que parece uma “Mamma”.

Quando “Mamma” entra na porta do seu hostel, é recebida como uma celebridade. Afinal, já faz jantares para backpackers e turistas há 16 anos. Nas paredes do Home Lisbon Hostel há cartas de pessoas de todo o mundo, a expressar amor e carinho por ela.

A “Mamma” tem uma cozinha perfeitamente desenhada para preparar o jantar. O jantar desta noite será para 36 pessoas.

“Hoje é arroz de pato.”

De vez em quando, alguém entra na cozinha e cumprimenta a “Mamma” com um abraço. “Mamma” é claramente a “Mamma” para todos no hostel.

“Sou natural do Porto, mas vim para Lisboa aos 20 anos para acabar os estudos. Tornei-me terapeuta ocupacional. Depois casei e fiquei cá. Amo esta cidade.”

Porquê um hostel?

“A ideia foi do meu filho. Na altura, não havia muitos hostels em Lisboa. Eu e meu marido ajudámos com o dinheiro. No início, era muito pequeno, mas começou a crescer. Agora temos 120 camas.”’

Na cozinha, há uma ilustração maravilhosa da “Mamma” com uma frase em baixo: “Lave os seus pratos”. O marketing é do melhor. Tanto que até se pode comprar o livro de receitas da “Mamma” por apenas 5 euros. Uma pechincha.

Apesar de “Mamma” parecer do tipo doce e maternal, não se iluda – ela está por dentro de todos os aspectos do negócio. Poderia ser a Martha Stewart portuguesa. “Eu gosto da Martha Stewart” diz ela.

A “Mamma” começa a preparar o jantar enquanto eu vagueio desajeitadamente por ali. Sinto que deveria ajudar. Ofereço os meus serviços. Mas ela está bem. Tem tudo sob controlo.

Enquanto a Mamma cozinha, o bar do Home Lisbon Hostel enche-se de gente. Foto: Rita Ansone,

Enquanto a “Mamma” prepara o jantar, o bar do Home Lisbon Hostel enche-se. Há um burburinho no ar, as pessoas estão felizes por terem conseguido um lugar à mesa da “Mamma”. É preciso reservar com antecedência para fazer parte da experiência.

“O que faço aqui é o mesmo que fazia quando era miúda, em casa da minha família. Éramos nove filhos. Costumávamos ter muitos amigos e familiares para jantar.”

Ganho um pouco de confiança e pergunto a “Mamma” que idade ela tem. Não me vai dizer. Continua calmamente a descascar as cebolas. Quero chorar.

“Eu era terapeuta e trabalhava com crianças com problemas de saúde mental. Estava a ficar um bocadinho cansada do trabalho que fazia. O meu filho sugeriu que viesse fazer os jantares no hostel. Então decidi deixar o meu trabalho e faço os jantares desde então. No início eram jantares muito pequenos, e a pouco e pouco tornaram-se… festas.”

O que dá um charme especial aos jantares da “Mamma” é que ela senta-se mesmo no topo da mesa e janta com os visitantes. A cadeira dela tem uma pequena placa que diz “Mamma”.

Como é que a “Mamma” lida com tantas nacionalidades? “Falo francês, espanhol e estou a estudar italiano. Adoro falar outras línguas.”

As grandes panelas com os cozinhados da “Mamma” estão a começar a ferver. Cheiros deliciosos enchem o ar. “Mamma” pede-me que abra um frasco. Não consigo, o que é bastante embaraçoso. Ela tira-mo da mão e abre-o. Sinto-me humilhado.

As panelas ao lume apitam. É sinal de que o jantar feito pela Mamma está quase a ser servido. Foto: Rita Ansone,

“Mamma” liga o rádio. Gosta de ouvir música enquanto cozinha. “Gosto de Arcade Fire, The National e Cigarettes After Sex.” Uau. Sem palavras.

Felizmente, a “Mamma” tem agora um assistente a ajudá-la. A hora do jantar está a aproximar-se – é às oito horas, todas as noites. Já está a preparar a sobremesa. “Vou fazer um bolo”, diz enquanto trabalha numa mistura de aparência deliciosa. Quero lamber a colher.

Tenho que perguntar: qual é o segredo de uma vida longa e saudável? “Vou ao ginásio várias vezes por semana. Faço pilates. Faço pesos. Corro. E durmo bem.”

O bar está agora muito movimentado. Além das pessoas que se preparam para jantar, o hostel está a fazer check-in de quem chega. As coisas na cozinha estão a ficar intensas. Está tudo a apitar. Literalmente. Começam a acender-se as velas na sala de jantar e as pessoas começam a sentar-se em torno da grande mesa comprida.

O Mamma’s Dinner é claramente um lugar fantástico para conversar e conhecer pessoas. Não se imagina quantas amizades duradouras e romances terão começado em redor da mesa de jantar de Isabel.

“De onde és?” é uma deixa comum que se ouve quando as pessoas estão a familiarizar-se.

Finalmente, é hora da comida. “Mamma” serve cada um de uma terrina de sopa para todos. Depois, apresenta o prato principal – o delicioso arroz de pato que prometeu.

“Mamma” convida as pessoas a vir até si para serem servidas. Isso dá-lhe a oportunidade de cumprimentar e dizer olá a todos os visitantes. Este encontro em particular tem muitos canadianos, alguns americanos, vários alemães… um de Hong Kong… um de Singapura.

As conversas enchem agora a sala. Todos se divertem.

Lá fora, o dia escurece, tornando a sala mais acolhedora. Há uma luz avermelhada e a sala está cheia de atmosfera. Para todos os presentes, é uma experiência única e inesquecível. Para a “Mamma” é apenas mais um dia no Home Lisbon Hostel.

O Mamma’s Dinner é uma experiência única e inesquecível para quem nele participa e isso é claro nas muitas mensagens de agradecimento que decoram as paredes do Home Lisbon Hostel. Foto: Rita Ansone

Depois da sobremesa ela levanta-se e ergue um copo de ginjinha. Todos têm um copo.

“Em Portugal dizemos ‘Saúde’”

“Saúde”, dizem todos em uníssono.

“E lembrem-se… não é um shot”, diz, naquilo que já se tornou o bordão da “Mamma”.

“Mamma” volta para a cozinha para arrumar tudo.

Vai juntar-se ao grupo do pub?, pergunto.

“Esta noite não.”

Parceria com o projeto People of Lisbon. Support People of Lisbon on Patreon


Isabel Mesquita is one of the owners of Home Lisbon Hostel and “Mamma”, who every night, for 16 years, has been cooking dinner for people from all over the world. Photo: Rita Ansone

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *