Dino d'Santiago
Foto: Rita Ansone

Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Nina Simone dizia que “um artista é aquele que reflete o seu tempo.” No Portugal dos idos tempos do fascismo, tivemos Zeca Afonso e seus companheiros de luta na música de intervenção.

Hoje, quando os escutamos, ainda sentimos a importância histórica e sociológica para a época e para os dias atuais. Cada canção é página de um “livro” de poemas cantados que narram uma época e inspiraram várias gerações de transformadores sociais.

José Carlos Schwarz pioneiro da música urbana de intervenção da Guiné-Bissau. Foto: D.R.

Nas ex-colónias das décadas de 1960 e 70, ecoavam sons de José Carlos Schwarz e dos Cobiana Djaz, na revolução independentista intitulada de “ato cultural” pelo seu Amílcar Cabral. Ambos tiveram uma ligação importante com Lisboa. Em Angola, Teta Lando e tantos outros cantaram suas revoluções num contexto diplomático mundial que conspirava a favor das liberdades dos países africanos.

Seguiram-se as gerações do pós-25 de Abril nas ex-colónias e em Portugal. Lisboa, na sua ternura de menina de dia e moça de noite foi embrião de tantas lutas e ciclicamente as reproduz.

Hoje é tempo de Dino D’Santiago que do Bairro do Pescador em Quarteira ancora a sua luta nessa “Nova Lisboa” onde alicerça um “Mundo Nobu” que vislumbra e diz que “não é sonho nenhum”.

É militância numa causa que é de todos: “pretu ku branku” geração de ouro, sem ódios históricos. Sem maquilhar ou higienizar o sistema para disfarçar os problemas reais, mas abordando-os com muita propriedade, didática e muita paixão. Questões como o racismo, inclusão social e igualdade de direitos são abordados na plataforma criada por ele que inclui brancos, pretos e mestiços em pé de igualdade.

Dino a segurar a sumbia igual a que usava Amílcar Cabral símbolo da luta pela independência da Guiné-Bissau e Cabo-Verde cujo embrião foi Lisboa.

Há resistência de uma parte e de outra, mas a luta continua e ganha cada vez mais continuadores. Dos brancos que “estão fartos” da retórica contra o racismo estrutural – numa era em que os haters de ativistas antirracismo negros estão na moda e andam a todo o vapor pelas redes sociais – e dos negros que “detestam os brancos” e os culpam pelos dissabores históricos e colocam todos no mesmo barco.

Dino D’Santiago põe na prática uma luta anti racial que pretende congregar todos e está a angariar cada dia mais adeptos para a sua causa. Traz nomes sonantes da cena musical africana e de Portugal de Lisboa para a cena mainstream e promove o seu discurso de unificação e integração com afinco.

“Preto estás na tua terra!” era o que Dino D’Santiago tinha escrito na sua camisola do dia 25 de Abril num concerto que deu no Palácio de São Bento, o do Governo, perante uma audiência maioritariamente branca que gritava de júbilo a cada verso libertador de um movimento que apaixona Lisboa.

Lisboa toda, da pretaria, da mouraria e de toda a gente, que foi de todas agente (godos, visigodos, lusitanos, etc.). Uma Lisboa verdadeiramente crioula que ele defende em seus versos e gritou aos quatro ventos sozinho em palco num som futurista quando levou mais de quatro mil pessoas ao rubro ao Coliseu de Lisboa no dia 2 de Abril de 2022.

Dino D’Santiago e convidados num Coliseu de Lisboa totalmente esgotado a 2 de abril de 2022. Foto: D.R.

Não é moda, não é sonho, é um movimento cultural contra os ódios extremos de um lado e do outro com mostras claras que a luta é de “todos” e “todos” estão dispostos a travá-la.

Ela é consistente e vai crescer, solidificando-se e juntando a médio e longo prazo esses “todos” pela causa de Lisboa dentro e fora da música, em todos os sectores da sociedade.

E entre vários eventos que Dino D’Santiago tem vindo a promover para “juntar” vozes por uma sociedade mais inclusiva, está uma série de concertos no Jardim de Verão da Gulbenkian com artistas afrodescendentes em Portugal sob sua curadoria.

Nídia, Marfox, Kady que lançou o tema “Djuntu” e teve a sua participação, Soluna, Nayela, Manecas Costa, Buruntuma, Boddhi Satva, Mbye Ebrima, Toty Sa’Med, NBC, Djodje Almeida e Active Mess Trio, Batukadeiras X, Yeri & Yeni, Banda Monte Cara e muitos outros. 

Já não é só o Dino D’Santiago, são muitos neste “ato de cultura”, diria Amílcar Cabral, numa luta de outrora, com pilares sólidos que apesar das contracorrentes lançou sementes que continuarão a brotar. E o caminho ainda é longo. Lisboa a ser o que ela sempre foi… o embrião de muitas lutas e vitórias.


Karyna Gomes

É a jornalista responsável pelo projeto de jornalismo crioulo na Mensagem, no âmbito do projeto Newspectrum – em parceria com o site Lisboa Criola de Dino D’Santiago. Além de jornalista é cantora, guineense de mãe cabo-verdiana, e escolheu Lisboa para viver desde 2011. Estudou jornalismo no Brasil, e trabalhou na RTP, rádios locais na Guiné-Bissau, foi correspondente de do Jornal “A Semana” de Cabo verde e Associated Press, e trabalhou no mundo das ONG na Unicef e SNV.


Dino D’Santiago. Foto: Rita Ansone

Dino d’Santiago, más di ki artista, ê un muvimentu kultural

Nina Simone ta flába ma “un artista ê kêl ki ta riflêti si tempu.” Na Portugal di tenpu di fascismo nu têvi Zeca Afonso ku sis kumpanheru di luta na kantigas di intirvenson.

Hoji, óra ki nu ta ôbil, inda nu ta xinti kal kê si valor stóriku i sosiolójiku pa kêl ténpu e pa ténpu di gosi. Kada kantiga di seu ê “pájina” di un “livro” di poisia kantadu ki ta konta stória di un épuka, ki trâsi inspirason pa un monti jerason di kês ki ta transforma susiedadi.

Na ex-kolónias di década di 60 ku 70, nu ta ôbiba kantigas di José Carlos Schwarz ku Cobiana Djaz, na luta di libertason ki txomadu di “atu kultural” pa Amílcar Cabral. Tudu ês, ês têvi un ligason txêu inportanti ku Lisboa. Na Angola, Teta Lando i um monti dês, ês kanta sês luta na un ténpu ki tudo kêl kontextu diplumático di mundu staba ta conspira a favor di lutas pa indipendensia di paísis afrikanus.

José Carlos Schwarz pioneiru di músika urbanu de intirvenson di Guiné-Bissau. Foto: D.R.

Dipôs ben kêl jerason di dipôs di 25 di Abril na antigus kolonia di Portugal. Lisboa, na si nosentésa di mininu fémia (menina) di dia ku spertesa di rapariga (moça) di nôti, ê foi kumesu de um monti di luta ki bata kontisi siklikamenti.

Gósi txiga ténpu di Dino D’Santiago, ki ben la di Bairu Piskador na Quarteira ki finka si luta na ês “Nova Lisboa” undi ki dja ê labanta muru di un “Mundo Nobu” ki ê odja di lonji i ê ta flâ ma “não é sonho nenhum”.

Keli ê militansia di un kausa ki ê di nôs tudu : “pretu ku branku jerason di oru”, sem ódiu ki ben di stórias ki nu kontadu. Sen pinta, nen limpa sistema pa gatxa kês prublema real, ma ê ta papial ku txêu kunhisimentu, intilijênsia e txêu paixon.

Tudu ki ten a ver ku rasismu, inkluson susial, i igualdadi di direitus, ta papiadu na kêl plataforma ki ê kria, i ki ta djunta pretus, brankus ku mistisos na pé di igualdadi.

Ten risistênsia di tudu dôs ladu, mas luta ta kontinua i stâ ta ganha, kada bês, mas gêntis. Di Brancos ki “sta fartu” di kêl retórica kontra rasismu strutural – na un ténpu undi ki haters di ativistas pretus kontra rasismu ki sta na moda i sta ta luta ku tudu forsa na rêdis susial – i di pretus ki “ditesta brankus”, ki ta kulpâs pa sês prublemas, i ta pôs tudu na “mesmu barku”.

Dino ku sumbia sima di Amílcar Cabral na mó, símbulu di luta pa indipendensia di Guiné-Bissau ku Cabo-Verde ki kumêsa ta planiadu Lisboa. Foto: D.R.

Dino D’Santiago sta ta pôi na prática un luta kontra rasismu ki ta djunta tudu algén i ki kada dia sta ta djunta mas pesoas di si kausa. Ê sta ta trâsi nomis grandi di músika afrikanu pa senário mainstream i ê ta prumovi discurso di unificason ku intregason, ku koraji fitxadu.

“Preto estás na tua terra!” ê tinha skritu na si kamisola dia 25 di Abril na un konsertu ki ê da na Palásio di São Bento, i di Governu, pa un publiku na maiuria branku ki staba ta grita ku kontentamentu na kada palabra ki ê flâ, kêli ê un muvimentu ki sta tâ paixona Lisboa.

Tudu Lisboa, di pretaria, di mouraria di tudu algén, ki foi di tudo algén (godos, visigodos, lusitanos etc.) … Lisboa, tera kriolu di verdadi ki ê difendi na si versus i ki ê grita pa tudo kantu – el só na palku, ku son futurista – kêl dia ki ê leba mais di ki quatro mil algén pa Coliseu de Lisboa…dia 2 di Abril di 2022.

Ê ka moda, ê ka sonhu, ê un muvimentu kultural kontra ódio strému di un ladu i di ôtu, ta mostra ma luta ê di tudo algén i ki tudo algén ten ki sta dispostu a entra nel.

Kêl Luta li ê konsistenti i ê ta kresci, ê ta solidifica, ê ta djunta “tudu algén” na médio i longo prazu, pa kausa di Lisboa dentru ku fora di músika, na tudo ária di susiedadi.

Dino D’Santiago sta promovi um monti di iventus, i dentru di tudo ês sta alguns konsertu di Jardim di Verão di Gulbenkian ku artistas afrodescendentes na Portugal, ku sê kuraduria. Nídia, Marfox, Kady ki lansa “Djuntu” ku si partisipason, Soluna, Nayela, Manecas Costa, Buruntuma, Boddhi Satva, Mbye Ebrima, Toty Sa’Med, NBC, Djodje Almeida e Active Mess Trio, Batukadeiras X, Yeri & Yeni, Banda Monte Cara i ôtus.

Gosi ê ka só Dino D’Santiago, ês ê txêu ki sta djuntu na ês “ato di kultura” sima ki ta flába Amílcar Cabral, na un luta di ôtus tenpu, ku pilares finkadu rîxu na txon, ki apisar di tudo kontra-maré ê pôi simentis ki ta kontinua ta dâ pamódi ta kontinua régadu. Kaminhu ê lonji. Lisboa ta kontinua ser kêl ki sénpri foi. Enbrion di un monti luta ku vitória. “Nu bai”.


Entre na conversa

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.