Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Em 2002, quando vim ter a minha primeira filha, tinha intenções de permanecer em Portugal, mas sempre me disseram que não era possível encontrar emprego na minha área. E eu acreditei. Vir para Portugal foi a solução que encontrei perante o alto índice de mortalidade materna e neonatal no meu país de origem – Guiné Bissau. Só no primeiro semestre daquele ano tinham morrido cerca de 80 mulheres no parto, na maternidade do principal hospital do país.

Nessa altura, alguém muito bem-intencionado da família ofereceu-se para me dar contactos de trabalhos. De limpeza ou de lojista. Parecia que para os africanos licenciados – com ou sem experiência – que imigravam para Portugal em busca de uma vida melhor, havia uma condição: não seria possível exercer a sua profissão. Com ou sem estatística a comprovar, a maioria aliena-se e nem se dá ao trabalho de ir atrás de um lugar na sua área de formação, tentar confrontar essa realidade.

Eu tinha pouco mais de vinte anos e estava muito assustada. Por um lado, via na televisão muitas notícias sobre amas que tratavam mal os bebés. Por outro pesavam as oportunidades que poderia ter.

O primeiro obstáculo começou na embaixada de Portugal em Bissau onde diariamente filas intermináveis aguardam por um visto. Fiquei tanto tempo à espera do visto que, para viajar, tive de esconder a minha enorme barriga da pessoa que estava a controlar a entrada dos passageiros no avião da extinta companhia aérea TACV (Transportes aéreos Cabo-verdianos) que fazia voos de conexão de Bissau a Lisboa, com escala na ilha do Sal. Afinal, por norma eu já não podia viajar a apenas 12 dias de dar à luz. Por um triz, a pequena nascia no voo de Bissau para Lisboa.

Vim para Lisboa com uma gravidez não planeada, nos últimos dias, com muito medo do futuro, apenas equilibrada pela fé cristã inabalável, e por ser acolhida por uma tia-avó daquelas que nos embalam, mesmo grandes. Ela era tudo o que precisava. Mas algo me inquietava. Era como se já soubesse que, mais dia menos dia, teria de deixar o meu país definitivamente para viver em Portugal.

Em Portugal, havia a impossibilidade de uma saída profissional que fizesse jus aos anos de investimento dos meus pais na minha educação e ao talento comprovado para o jornalismo. Isso fez com que desistisse e voltasse com a minha filha de 4 meses para Bissau. Mas também no país que me viu nascer, havia pouco ou nada a oferecer para uma recém-formada em jornalismo que por cunha de uma tia estava a fazer um estágio não remunerado na delegação da RTP África, em Bissau, sem promessa de contratação. Ainda fiz uns meses na delegação da RTP e trabalhei como jornalista na rádio, como correspondente. Depois, especializei-me em comunicação para o desenvolvimento (C4D) nas ONG nacionais e internacionais. Foram nove anos.

Até que me saí muito bem… diziam que era uma jornalista promissora!

Karyna Gomes, já na sua carreira artística. Foto:DR

Mas o cenário político caótico, com um governo a cada seis meses, a acelerada e desenfreada degradação do tecido social, das infraestruturas e do sistema educativo já davam indicações do que está a acontecer hoje no país. Entre golpes de Estado, assassinato de Presidente da República em 2009 e de algumas figuras políticas e militares, o impacto era devastador nos projetos de desenvolvimento das ONG onde trabalhava. Decidi que precisava de mudar de ares, pelos menos por uns tempos, pela minha própria saúde mental.

Desta vez tinha outros planos: fazer um mestrado, tentar gravar um disco e, claro, regressar ao país. O mestrado ficou por concluir apesar de ter feito toda a parte presencial, o disco foi editado três anos depois em Lisboa, o país piorou e eu fui ficando.

A escrita, a rádio, a TV, enfim, o jornalismo ficou num lugar remoto. Porque afinal, uma africana licenciada em jornalismo no Brasil com experiência de 10 anos, mas fora de Portugal, não teria hipóteses de exercer em Portugal. Por várias razões… Primeiro porque não é portuguesa e não tem documento português. Segundo porque apesar de muitos negarem, o racismo é uma realidade em Portugal. E isso acabou por me impedir de enviar o meu currículo aos meios de comunicação: “É uma condição estrutural”, dizia a mim própria. E amargurada concluía que a culpa é dos governantes dos nossos países de origem que não dão condições mínimas para criarmos os nossos filhos e termos as bases sólidas para trabalhar e ter uma vida digna na nossa terra.

Era como se um lugar secundário e incerto estivesse destinado para aqueles a quem a geografia tramava. O futuro que a nós todos, de cor e de fora, nos aguardava. Era assustador, e só restava a tal fé cristã inabalável que sempre trazia alento e esperança.

Talvez por tudo isto consigo ver a importância das vozes que hoje surgem por todos os lados e saem do lugar de vítima para um lugar de fala. Dino D’santiago e sua “Lisboa Crioula” vêm como uma luz. Afinal, Lisboa sempre foi crioula e todos sabem, mas alguém tinha de quebrar um ciclo, fazer sair das páginas da história para uma verdadeira convergência nos tempos atuais. Essa nova dinâmica propõe juntar sem complexos em espaços mais amplos e de acesso de todos.

Dino d’Santiago e Karyna Gomes, na conversa no Centro Cultural de Cabo Verde. Foto: Rita Ansone

É o que acontece com a minha “Mensagem de Lisboa”: preenche o vazio de uma imprensa inclusiva que já fazia falta numa Lisboa onde as comunidades não têm voz nem espaço nos lugares de fala privilegiados – a não ser que marcassem golos que trouxessem vitórias históricas ou gravassem um disco de que os betinhos gostassem – como se houvesse uma periferia mediática para colocar os que “não são como nós”. Onde canais de televisão se subdividem por etnias, segregando humanos por categoria social e os espaços de destaque usam filtros sociais na “cara podre”, em função de um tradicionalismo estrábico.

Hoje faço parte desta Lisboa de todos, da Mensagem. Pelo menos acho, que entre trancos e barrancos, músicas e poesias oprimidas do meu universo musical crioulo limitado a uma comunidade, fui desbravando até chegar aqui. Encontrei espaço neste “mar de letras” onde o crioulo passou a fazer parte e todas as outras vozes e universos linguísticos de Lisboa têm voz. Onde um refugiado afegão conta a sua história de fuga na primeira pessoa, vindo de um lugar de exclusão e hoje diz que encontrou a paz como se ela gritasse.

A Mensagem é transformação, é revolução sem cravos, é ponte que liga mundos e universos culturais. É Lisboa na sua essência e continua.

A Mensagem i nha revuluson sin kravu, puntu ku ta djunta mundus

Na 2002, otcha ku n’bin padi nha purmeru fidju, n’misti ba fica na Purtugal, ma ê ta falan ba tudu hora kuma i ka tem manera di n’otcha tarbadju na kil ária ku n’forma nel. Ami n’fia. Bin pa Purtugal i era ba kaminhu ku n’otcha dianti di kil situason di manga di guintis ku ta muri hora di padi na nha terra – Guiné-Bissau. Son na purmerus seis mis di kil anu, pertu de 80 mindjeris ku pirdi bida na sê hora di padi, na maternidadi di Hospital Simon Mendi.

Na kil tenpu, i ten ba un alguin ku bon sintidu pa mi na nha família ku falan kuma i pudi ba sinalan bons kau di tarbadju. Di limpa kau ou di bindi na loja. I staba nan suma kuma pa africanos ku lisensia – ku tene speriência ou nau – ku bin migra pa Purtugal pa buska un bida mindjor, i ten ba son um kondison: i ka pusível pa ê tarbadja na kil ku ê forma nel. Ku statístika ou sin statístika, maiuria di djinti ta seta son ê kala, nin ê ka ta kansa ku buska tarbadju na sê ária di formason, ou tenta n’frenta kil rialidadi.

N’tene ba puku mas di ki vinti anu, kaba n’panta ba mal. Na un ladu, nta odja ba nobas na televison di amas ku ta maltrata ba mininus. Na utru, nta n’ta pensa ba na oportunidadi ke n’pudi ba tene.

Ma purmeru kê ku tadjan i kansera na embaixada de Purtugal na Bissau nundê ku tudu dia i ten bixas kunpridu, ku ka ta kaba, pa otcha visto. N’tarda pa otcha visto tok dia ku n’dibi di bai biás tchiga, n’sukundi nan bariga pa djinti di kontrol di avion di antigu TACV, ku ta fasi ba ligason pa Portugal ku skala na Djiu di Sal, ka tudjin n’barka. Na bardadi, pa lei, nka pudi ba dja n’barka suma i na falta ba son 12 dia pa n’padi. Pikininu nha fidju na padidu na voo di Bissau pa Lisboa.

N’bin pa Lisboa ku un bariga ku n’ka plania, na ultimus dia, ku manga di medu, i son kil fé kriston ku kata tirmi ku tenen ba firmadu, i manera tan ku nha dona ku ta ninan ba tê na garandesa risibin na si kau. El i era kê ku n’mas na pirsisa ba del. Ma nin ku sin, nha sintidu ka sinta ba. I sta ba suma n’sibi kuma kualker dia na ten ba ku dissa ba nha terra pa bin mora na Purtugal.

Na Purtugal, i ten ba kil difikuldadi di tarbadju na nha ária ku ka na bin balura ba tudu kil sakrifisiu ku nha mame ku nha pape fasi pa pun na skóla, suma tan kil nha don di tarbadju di jornalista. Kila tudu ku pui n’disisti n’riba pa Bissau ku nha fidju di 4 mis. Ma també, kil tera nundê ke n’padidu nel ka tene ba tchiu kusa pa da un alguin ku kumsa ba forma, i otcha um trabadju di stájio sin pago na delegason di RTP na Bissau – ku kunha di un tia – sin prumesa di kontrato. N’tarbadja inda alguns mis na RTP, na Rádio, suma korespondenti tanbé. Dipus n’bin sedu spesialista na kumunikason pa disinvolvimentu (C4D) na ONG nasional ku internacional. N’tarbadja novi anu.

Ma i kuri muito ben…ê ta fala ba kuma n’na sedu un garandi jornalista!
Ma ku prublemas pulítiko, gubernu nobu na kada seis mis, baluris torkiadu escolas ku saúdi sin kondison…tudu ta mostra ba dja kê ku na bin ten aós. Entri golpes di Stadu, matança di presidenti na 2009 ku djinti di puder pulítiko ku militar, ku tudu mal ku ês kusas tisi pa prujetus di disinvolvimentu ku ten ba na ONG ku nta tarbadja ba nel. N’disidi kuma n’pirsisa ba di bai freska kabesa na utru ladu, pel menus pa alguns tenpu, pa nha saúdi.

Ma di ê n’biás ntêne ba utrus planu: fasi mestradu, tenta grava un disku, riba tera. Mestradu ka kaba, nin manera ku n’fasi tudu aula, disco editadu 3 anu dipus na Lisboa, ma suma tera ka ranka n’fica djanan li.

Tarbadju di skirbi, radio, televison, jornalismu tudu fika trás na un kau stranhu. Pabia kil ku fika ba na nha sintidu i di kuma un afrikanu ku forma na Brasil ku speriência di 10 anu, ma fora di Purtugal, i ka tene manera di tarbadja na Purtugal. Pa manga di roson… purmeru pabia ami i ka Purtuguis, nka tene dukumentu Purtuguis, sugundu pabia nin manera ku manga di djinti ta nega, rasismu i un rialidadi na Purtugal. Ês ke pui nka manda nha Curriculum pa nin un meio di kumunikason: “i un kondison di estrutura” nta fala ba nha kabesa el. Ku kasabi nta fala ba kuma culpa i di governantis di nha terra ku ka kiria kondison nin pikininu pa nô kiria nô fidjus i pa nô tenê manera di tarbadja pa tene un bida ku dignidade na nô tera sin bari padja.

I era suma si kontra um sugundu lugar ku ka sertu sta distinadu pa bida di kilis ku geografia ka djuda. futuru ke, pa anôs tudo di kor i di fora, na peranu ba. És tudu ta pantan ba, uniku kusa ku n’sobra ba kêl i kil fé kriston ku ka ta tirmi ku ta tisin ba senpri manera di mpalia, ku speransa.

Talbês i pabia di ês tudu ke nta konsigi obi kil falas nobu na tudu ladu, ku sai di kau sukundidu di kastigu, pa kau nundê ku ê na obidu. Dino D’santiago ku si “Lisboa Crioula” bin suma lus. Afinal, Lisboa senpri foi kiriol i anôs tudo nô sibil, mas alguin ten ba ku kebra ês vicio, tira bardadi di librus di stória pa un djuntamentu di bardadi na tenpu nôbu ku na bisinha. És nôbu manera di fasi kusas pa i sedu, na mostra manera di nô djunta tudu sin mangason, na kaus mas garandi ku tudu djinti pudi yangasa.

Kila ku nô sta na ôdja na nha “Mensagem de Lisboa”: i sta na kau nundê ku un inprensa ku ta djunta guintis dibi di sta ba nel, ku ta fasi ba manga di falta na ês Lisboa nundê ku kumunidadis ka tenê fala nin kau di stâ undê ke falas ta obidu nel – son si kontra ê marka golo ku bai pa stória ou ê grava disku ku fidjus di djintons gosta del – suma si kontra i ten un kintal di kumunikason pa pui “kilis ku ka sedu suma nôs”. Undê ku kanalis di televison ta rapartido pa rasas, undê ku pekaduris ta siparadu pa sê katigoria sosial e kaus di odjada ta pui filtros “kara podri” pabia di sê tradisionalismu ku totoli.

Aós, n’fasi parti di ês Lisboa di tudu djinti, di Mensagem. Pel menus n’otcha kuma, na entre meio di kai ku rabida, kantigas ku poesia sukundidu di universo di musika na kiriol limitadu a um kumunidadi, n’pabi toku n’tchiga li. N’otcha un lugar na ês “mar di letra” undê ku kiriol gosi fasi parti i mangas di utrus falas, ku mundu di manga di lingus di Lisboa tene fala. Nundê ku un refujiadu afegon ta konta i skirbi ku si mon si stória di manera ku i fusi di un kau ku ka ta odjadu ba i aós i otcha paz ki ta fala kuma i sta suma kê ku na girtal na oredja.

“A Mensagem” i kanbansa i nha revuluson sin kravu, i puntu ku djunta mundos ku universu kultural. I Lisboa suma ku i sedu ma i ka kaba li.

Karyna Gomes

É a jornalista responsável pelo projeto de jornalismo crioulo na Mensagem, no âmbito do projeto Newspectrum – em parceria com o site Lisboa Criola de Dino D’Santiago. Além de jornalista é cantora, guineense de mãe cabo-verdiana, e escolheu Lisboa para viver desde 2011. Estudou jornalismo no Brasil, e trabalhou na RTP, rádios locais na Guiné-Bissau, foi correspondente de do Jornal “A Semana” de Cabo verde e Associated Press, e trabalhou no mundo das ONG na Unicef e SNV.

Entre na conversa

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.