Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Chiara Mecozzi brilha. Está num momento feliz da sua vida. O pequeno mundo à sua volta conjuga-se nesse sentido. O seu cão – Jonny (batizado em homenagem a Jon Snow) salta pela casa, alegremente. E o namorado, Alex, parece estar em sintonia. “Conhecemo-nos quando estavámos a embarcar num avião, no aeroporto de Lisboa”, conta Alex.

Chiara afasta do rosto os longos cabelos castanhos, em intervalos regulares, quase como um tique. Podia ser modelo. Foi modelo em tempos. Noutra vida, que ficou para trás. “Odiei”.

Agora Chiara é artista. É artista na maioria dos sentidos em que se pode ser artista. “Adoro cozinhar. Faz parte da minha arte. Adoro juntar coisas, combinar ingredientes”, diz enquanto se movimenta pela pequena mas perfeita cozinha que encaixaria muito bem nas página de uma Home + Garden Magazine.

Chiara nasceu em Buenos Aires, há 36 anos, mas cresceu em Mendoza. “Considero-me uma miúda de Mendoza, mas foi em Miami que me tornei adulta. E depois mudei-me para Nova Iorque. E depois mudei-me para aqui. Tem sido uma viagem e tanto”.

Se algum destes lugares influenciou Chiara, terá sido Nova Iorque. O seu sotaque soa claramente a Nova Iorque.

Apesar de também ser fotógrafa e escritora, a forma de expressão artística em que está mais focada é na pintura. As paredes do seu apartamento estão forradas com os seus trabalhos.

A obra que se destaca na parede da sala de estar mostra mulheres nuas, atraentes e curvilíneas. “Decidi usar os meus quadros como forma de me ajudar a gostar do meu corpo, porque sempre tive uma péssima relação com ele. Nem sequer conseguia olhar-me ao espelho. Fotografar-me e pintar-me nua ajudou-me imenso a livrar-me de toda a vergonha que tinha”.  

As mulheres nuas de Chiara não têm rosto. “Quero que a emoção venha dos corpos. Não quero que a cara desvie a atenção. Quero que o poder venha dos corpos”.

O impacto positivo que os autoretratos nus de Chiara tiveram em si própria levou-a a procurar empoderar outras mulheres, pintando-as também, nuas.

Apesar da boa disposição característica, torna-se claro que Chiara precisa de treino para se manter equilibrada. Um dos seus métodos é escrever um diário regularmente, reafirmando mensagens positivas para se sentir em controlo. “Escrever o diário salvou-me a vida. Estava a passar por um divórcio e lá em Nova Iorque a terapia é demasiado cara. Escrever todos os dias deu-me clareza”.

Se a casa de Chiara é impressionante, o seu estúdio é ainda mais. Ela trabalha todos os dias num grande estúdio colaborativo em Marvila. O seu espaço é amplo e as paredes estão cobertas de mulheres nuas sem rosto. Talvez seja workaholic. “Passo sete horas por dia em pé a pintar”.

Lisboa é, para Chiara, uma cidade tranquila, perfeita para desenvolver o seu trabalho e pintar. Foto: Rita Ansone

Sobre ambições futuras, Chiara diz simplesmente: “Não quero nunca parar de pintar. Quero fazer isto pelo resto da minha vida”.

E sobre Lisboa, onde encontrou o amor, destaca o sossego. “Outras cidades são tão barulhentas, mas Lisboa é a cidade perfeita para eu ficar a pintar. É suficientemente tranquila para me permitir ser eu mesma. É mágica”.

Parceria com o projeto People of Lisbon.


Chiara Mecozzi: “Lisbon is a perfect city for me to paint in”

Born and raised in Buenos Aires and then Miami, she defined herself in New York, but it was in Lisbon that she found the necessary silence to be herself. And paint.

Chiara Mecozzi glows. She is in a happy place in her life. The world around her is happy too. Her dog – Jonny (named after Jon Snow) – bounces around her home gleefully. And her boyfriend Alex seems happy too. “We met boarding a plane in Lisbon airport,” Alex explains.

Chiara brushes her long brown hair from her face at regular intervals. She could be a model. She once was a model. But that life is behind her. “I hated it.’

Now Chiara is an artist. She is an artist in most of the ways an artist can be. “I love to cook. That’s part of my art. I just love putting things together,” she says, walking around her small and yet perfectly formed kitchen that would not be out of place in a Home + Garden Magazine.

Chiara was born in Buenos Aires, but she was brought up in Mendoza. “I consider myself a Mendoza girl. But I grew up a bit in Miami. And then I moved to New York. And then I moved here. It’s been a journey.”

If any of these places Chiara influenced her, it could be New York. She sounds distinctly New York in her accent.

Although Chiara is also a photographer and a writer, the art she is mainly focused on is painting. Her apartment walls are adorned by her work.

The stand-out painting on her living room wall features some curvaceous eye-catching nude women. “I decided to use my paintings as a way to help me love my body – as I always had a very bad relationship with it. I couldn’t even look at myself in a mirror. Photographing and painting myself naked, really helped me shed all the shame I had.”

Chiara’s nude women are faceless. “I want the emotion to come from the bodies. I don’t want the face to take away the attention. I want the power to come from the bodies.”

The positive effect of Chiara’s painting on herself now means she’s trying to empower other women by painting them nude also.

Despite Chiara’s happy personality – it is clear she requires daily maintenance to keep herself balanced. One method she has is to journal regularly – writing reaffirming positive messages to keep herself in check. “Journaling saved my life. I was going through a divorce. Back in New York therapy was too expensive.  Journaling gave me clarity.”

If Chiara’s home is impressive, her studio is more so. She works daily from a vast collective studio in Marvilla. Her corner is large, and her walls are covered with hew nude women. She may be a workaholic. “I spend 7 hours a day on my feet painting.”

Speaking of her future ambitions Chiara states simply “I just never want to stop painting. I want to do this for the rest of my life.”

And as for Lisbon, where she found love: “Other cities are so noisy. But Lisbon is a perfect city for me to paint in. It is quiet enough to allow me to be myself. It’s magical.”

Follow People of Lisbon, here.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.