O estúdio de Vanessa Teodoro fica num refúgio de Marvila que poderia ser um antigo estúdio de cinema de Hollywood – há muitos pequenos edifícios brancos, armazéns contra o céu azul e muito verde à volta. O escritório do estúdio Vanessa poderia facilmente ser o de um produtor que está a trabalhar no seu próximo projeto. E a verdade é que a artista plástica tem sempre tem outro projeto em andamento.

As paredes do estúdio têm alguns projetos de arte pessoais e aqueles em que ela trabalhou com marcas. O seu estilo, atraente, parece a reminiscência da era de ouro da MTV – dos três lábios iluminados por neon dentro da porta, a uma geleira de bom design e até mesmo um capacete de motocicleta com estilo distintivo. “Está à venda”, diz ela, apontando – e dando apenas uma dica da visão de negócios que se esconde por trás do seu trabalho.

Parceria com a Jaguar.

Vanessa não é uma artista típica. Ao contrário de muitos, conseguiu combinar a sua criatividade com um bom conhecimento de negócios que aprendeu trabalhando com agências de publicidade. Essa experiência permitiu que trabalhasse com marcas que vão da Louis Vuitton à Jaguar. A lista completa de marcas com as quais ela trabalhou é impressionante: “As grandes marcas podem ajudar-nos a estabelecermo-nos como artistas.”

Imigrante na sua própria terra

Vanessa mudou-se para Lisboa vinda da Cidade do Cabo, na África do Sul, quando tinha 9 anos. “A minha mãe voltou a casou, e o clima político era muito instável na África do Sul. Foi um 2 em 1. A minha mãe trabalhava na TAP, pelo que Lisboa fazia sentido”, recorda, explicando os motivos da mudança. “Deixei para trás a única vida que conhecia. Fechei os olhos no avião e pensei: aqui vou eu.”

Vanessa tornou-se artista através da publicidade. Foto: Rita Ansone/People of Lisbon

Vanessa ainda tem sotaque sul-africano, mas fala português fluentemente. Nem sempre ela quis ser uma artista. “Queria ser Presidente da República quando era jovem. Queria resolver todos os problemas em torno da desigualdade.” Acabou por abandonar qualquer ambição política jovem pelo mundo da arte, “Sempre gostei de fazer desenhos e rabiscar nas coisas, mas nunca acreditei que poderia realmente ser uma artista e ganhar a vida fazendo o que amava. É por isso que decidi estudar design gráfico. Foi uma abordagem segura, digamos.”

O design gráfico de Vanessa está presente em grande parte da sua obra. Muitas vezes há letras, dispostas para combinar com a sua sensibilidade peculiar. “É evidente que sou influenciada pela pop art e, em particular, por Keith Haring. Mas também sou influenciada por artistas de BD e até mesmo por Basquiat – a quem dei o nome ao meu gato. Ele gostava de expressar tudo. Eu sou um pouco assim.”

Murais pela cidade fora

Pode não ser evidente à primeira vista, mas muito do trabalho de Vanessa é uma espécie de auto-retratos. Ela própria admite que muito de seu trabalho é uma representação e uma maneira de processar os seus pensamentos e sentimentos por ela mesma. Mesmo aqueles grandes lábios de néon. “Eu tenho lábios em muitos dos meus trabalhos porque costumava pensar que não era boa a expressar-me verbalmente. É por isso que eu “grito” nas minhas ilustrações! ”

Vanessa acabou por ficar cansada da vida maluca de uma agência de publicidade e decidiu seguir sozinha o seu rumo. O foco dela agora está principalmente na criação de murais de arte pública, em paredes, nos quais aposta muito. Ela explica porque gosta tanto deles: “É uma forma de tornar a arte acessível a todos. E temos feedback de todos os tipos de pessoas, o que é muito gratificante. ”

Vanessa tem vários murais públicos de grande escala à volta de Lisboa: três no Lumiar, um em Alvalade, um em Entrecampos, um no Bairro Padre Cruz e um em Almada. Renovou uma estação de comboios – Entrecampos – e vai começar a trabalhar numa cisterna de água que precisa de ganhar nova vida na zona oriental da cidade. Neste tipo de obras, diz ela, as pessoas relacionam-se com a sua arte entrando através delas. “É uma espécie de obra de arte viva”, diz a artista que já fez instalações destas também para várias marcas.

Os murais de Vanessa são facilmente reconhecíveis. Geralmente apresentam-se com muito preto e branco, e os seus padrões de pop art de marca registada. “Sempre gostei de padrões”, diz ela. “Mas o meu estilo evoluiu. Quando eu estava a começar,  fazia muitas estatuetas, mas com o tempo o meu trabalho tornou-se mais abstrato.”

A precisão é evidente na arte de Vanessa. “É verdade. Eu sou um pouco obsessiva a esse respeito. ” A busca do perfeccionismo, porém, teve um custo. Ela descreve essa busca como ‘paralisante’. “No passado, eu preferia não fazer algo com medo de que não fosse perfeito. Mas agora sigo o lema: feito é melhor do que perfeito Isso ajudou-me muito. Fazer. Deixar fluir. Aprendemos com os nossos erros e, às vezes, os erros tornam o trabalho ainda melhor do que originalmente pretendíamos. ”

Há slogans e frases por todo o estúdio de Vanessa e por todo o seu trabalho. A sua última exposição chamava-se: “Pare de comer e processe as suas emoções”. Era feita dos seus pratos favoritos. Pratos de loiça. “Durante o confinamento, estive em casa. Precisava de algo para pintar e “desabafar”. E eu tinha muitos pratos. ”

O estúdio de Vanessa está sempre bem arrumado. Foto: Rita Ansone

Apesar de Vanessas alegar ser workaholic, ela admite que é uma procrastinadora. “E procrastinar só me faz procrastinar mais. A dúvida é inimiga da maioria dos artistas.”

São subtis rachas na armadura resistente de Vanessa – ela está em boa forma neste momento. É teimosa e segura. E organizada. Prova disso é o seu estúdio, bem arrumado. “Precisa de ser. É muito pequeno para não ser arrumado. Acho que sou uma pessoa feliz agora”, conclui.

As bocas, um símbolo na arte de Vanessa. Foto: Rita Ansone/People of Lisbon

Veja mais sobre o projeto People of Lisbon, aqui.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Como a Vanessa nasceu num país muito grande, acho que ela sente a necessidade de projectar o mais longe possível, as ideias Talvez os murais, tenham sido a maneira de partilhar e encher os olhos de tantos, mostrando que as tintas são, para dar vida às superfícies, embelezando os locais por onde passamos. Locais que poderiam vir a ter tristes fins e assim escapam de possíveis degradações e tristes memórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *