Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Prólogo a uma gravação de vídeo

Alexandra Victoria Bonte talvez não seja o tipo de pessoa que se espera encontrar nas páginas da Mensagem de Lisboa ou nos vídeos do People of Lisbon. Os primeiros posts que fizemos nas redes sociais a anunciar o vídeo com ela suscitaram alguns comentários negativos de puristas lisboetas que veem pessoas como Alexandra como culpadas pela transformação da cidade – que está a acontecer a uma velocidade difícil de acompanhar.

Para eles, não há discussão. Talvez Alexandra – que é consultora imobiliária – represente o inimigo. Mas temos que manter a mente aberta. Aquilo que nos interessou foi conhecer a mulher hiperativa no Instagram – onde aparenta viver uma vida sempre glamorosa. O tipo de vida que todos nós secretamente gostaríamos de, pelo menos, experimentar. Por outro lado, queríamos descobrir quem estava por detrás da fachada.

Assim, combinámos encontrar-nos com Alexandra no Café Esplanada por entre as árvores do Jardim do Príncipe Real – perto do lugar onde teria uma reunião de trabalho. Estava um bocadinho nervoso de a conhecer – temia que a autoconfiança absoluta e imagem sexy dela me intimidassem.

Alexandra chegou pontualmente à hora marcada – com um vestido verde jardim justo e uns óculos escuros que não passariam despercebidos em Rodeo Drive. Acabar de beber o café é um bom pretexto para nos conhecermos antes da gravação do vídeo. A conversa à mesa da esplanada deriva para o mindfulness e a meditação. Muito Lisboa 2022. Oiço apenas.

“A meditação e o mindfulness ajudaram-me a descobrir o que eu queria alcançar e para onde queria ir. Mas é preciso fazer as coisas por etapas. O primeiro passo é sempre perceber onde estão os teus problemas – e isso leva-te à tua infância. Isso leva-te sempre à tua infância.”

A meditação e o mindfulness são fundamentais para Alexandra e o segredo para ser tão focada e ter sucesso. Foto: Rita Ansone

“Tive que me tornar consciente de mim própria para ter sucesso. Tive que aceitar os meus medos. Não se trata de te livrares deles. Trata-se de entendê-los e viveres com eles.”

E de repente Alexandra virou do avesso as minhas expectativas sobre ela. Claro que é tudo o que se poderia esperar, mas este início de conversa mostrou uma versão considerável de autoconsciência e autoconhecimento que uma pesquisa superficial pelos perfis dela nas redes sociais não evidencia.

“A paciência é uma virtude. Tens de parar, respirar e refletir. E só depois dar o próximo passo. A vida torna-se um jogo e quando acontecem dias maus, e todos nós temos dias maus, tens que tentar divertir-te com isso. Pode não fazer muito sentido, mas eu acredito mesmo nisto.”

“Alguma vez tens dias maus?”, pergunto.

“Claro que tenho. Há dias em que o carro é rebocado ou estou atrasada para todas as reuniões ou um dos miúdos cai escada abaixo…”

“Tens filhos?”

“Tenho, de três e cinco anos. Portanto, sou uma mãe que trabalha, sentada num canto a chorar e a pensar que não consigo fazer tudo ao mesmo tempo, que não consigo gerir a minha empresa.” Diz isto a rir e a imitar uma voz chorosa.

“Mas então tens o teu momento aha. Quando percebes que só tens que te sentir grato pelo momento difícil que estás a passar e aprender com ele. Tens de te lembrar que vai ficar tudo bem. Tens de acreditar que há sempre uma saída para cada situação difícil. E a saída é normalmente apenas para ser feliz.”

Foto: Rita Ansone

Alexandra faz uma pausa.

“Ah, e não sejas tonto. Não podes levar as coisas demasiado a sério. É como um escudo. O humor é um escudo contra a negatividade.”

Quero saber se a Alexandra tem algum mau hábito.

“A minha impaciência. Eu tenho que ir, ir, ir, ir. Às vezes faz-me tremer. Ainda estou a trabalhar para superar este sentimento.”

De onde vem esse sentimento?

“Não sei. De uma fome por mais – e da noção de que o dia tem apenas um certo número de horas. Mas tens de parar e dizer – estou aqui agora. Não vás para o futuro, não vás para o passado. Estou aqui agora. Fica presente.”

Sendo assim, está na hora de fazer um vídeo.

“Manda-me calar, se eu estiver a dizer disparates.”

Parceria com o projeto People of Lisbon. Support People of Lisbon on Patreon


Alexandra Victoria Bonte, the zen real estate entrepreneur

American, english and italian, Alexandra fell in love with Portugal and it is between Lisbon and Cascais that she develops her real estate business aimed at foreigners who want to buy a house in Lisbon and investment funds who want to invest here. This while deepening self-knowledge through meditation.

Prologue to a video shoot

Alexandra Victoria Bonte is perhaps not the type of person you might expect to find on the pages of Mensagem or the videos of People of Lisbon for that matter. Early social media posts we made about her upcoming appearance brought some comments of chagrin by Lisbon purists who see people like her as the type who are contributing to the change of a city – that is happening at a speed that is hard to keep up with.

And to them I can’t argue. Maybe Alexandra – who is a real estate entrepreneur – does represent the enemy. But we have to be open minded. We were just interested in meeting the woman who kept on popping up on her Instagram feed – where she seems always to be living the glamorous life. The type of life we all secretly would like to at least sample. We also wanted to find out – who was behind the facade?

So, with that we arranged to meet Alexandra at the Esplanada Cafe in the leafy surroundings of Jardim do Principe Real – close to one of her meetings. I was a little nervous upon meeting Alexandra – as I feared she may intimidate with her full-on confidence and sexy image.

Alexandra arrived promptly on time – wearing a striking figure-hugging garden green dress, and a pair of shades that would not go unplaced on Rodeo Drive. As we need to finish our coffees it’s a good chance to get acquainted before our video shoot. And with that the conversation around the table turns to mindfulness and meditation. Very Lisbon 2022. I just listen.

“Meditation and mindfulness helped me figure out what I wanted to achieve and where I wanted to go. But you need to take things in steps. Step 1 is always to figure out where your issues are – and that takes you back to childhood. It always takes you back to childhood.”

“I had to become conscious to succeed. I had to accept my fears. It’s not about getting rid of them. It’s about understanding them and living with them.”

And just like that Alexandra has turned the tables on my expectations of her. Sure she is everything that you might expect, but this introductory conversation shows off a considered self-aware version of herself that you might not read into on a cursory glance at her social profile.

Meditation and mindfulness are key to Alexandra and the secret to being so focused and successful. Photo: Rita Ansone

“Patience is a virtue. You need to stop, breathe, and reflect. Then take the next step. Life becomes a game and when bad days happen, and we all have bad days, you need to try to have fun with it. That might not make sense, but I believe it.”

“Do you ever have bad days?” I ask.

“Of course, I do. I have days when the car has been towed, or I’m late for every meeting, or a kid falls down the stairs…”

“Do you have kids?”

“I do. They are 3 and 5. So I have been a working mom, sitting in the corner crying, thinking I can’t do this. Thinking I can’t run my business.” She mimics a comedic tearful voice.

“But then you have the aha moment. The moment when you need to be grateful for the hard moment, and then just learn from it. You need to remember that it’s going to be ok. You need to believe there is a way out of the hard situation. And the way out if it is usually just to be happy.”

She takes a pause.

“Oh and be silly. You can’t take things too seriously. It’s like a shield. Being goofy is a shield against letting the negativity get to you.”

Alexandra says her weakness is her impatience. She’s working on that. Photo: Rita Ansone

I want to know if Alexandra has a bad habit.

“My impatience. I have to be go go go go. Sometimes it makes me shake. I’m still working on overcoming that feeling.”

Where does that feeling come from?

“I don’t know. Just from a hunger for more – and a knowing that there is only a certain number of hours in the day. But you need to stop and say – I’m here now. Don’t go into the future, don’t go into the past. I’m here now. Be present.”

With that, it’s time to make a video.

“Stop me if I’m talking nonsense.”

Follow People of Lisbon, here. Support People of Lisbon on Patreon

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.