Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Uma das minhas primeiras memórias de infância é a de ter ido com o meu pai a dois estabelecimentos comerciais em Lisboa, na zona da Alameda Afonso Henriques, que tinham grandes pistas de corridas de miniaturas automóveis na cave (a primeira) e ao fundo da sala (a segunda).

O meu pai não se recorda do local exacto, mas há alguns anos que isto me intriga e depois de perguntar pelas memórias destes estabelecimentos a alguns moradores da zona e de, sobretudo, ter encontrado o longo e muito informativo artigo do Slotcar Memorial Portugal da autoria de Fernando Pontes, que se identifica como “um verdadeiro aficionado dos slots”, voltei a estas lembranças.

Mas o que são os “slots”?

Este tipo de hobby é intitulado de “Autorama” ou “Automodelismo de Fenda” ou, simplesmente “Slot Car” ou “Slotcar” e consiste em competições com modelos de automóveis eléctricos em escalas de, sobretudo, 1/32 ou de 1/24.

Neste contexto, “fenda” ou “slot” representam os pequenos carris em que correm os carros. Este tipo de veículo foi fabricado pela primeira vez nos EUA, em 1912 e tornou-se popular, um pouco por todo o mundo, na década de 1960 e, em Portugal, na década seguinte.

Este desporto é considerado como o desporto motor mais rápido do mundo porque estes pequenos carros conseguem acelerar dos 0 aos 100 km/h em apenas 0.4 segundo.

Nos dias de hoje, a popularidade do desporto parece ter diminuído, mas continuam a realizar-se campeonatos nacionais em vários países, há um campeonato europeu e até um mundial, o “ISRA world championship”, que devia ter-se realizado em 2021 nos EUA, mas foi cancelado devido à COVID e deverá ser retomado este ano na Letónia.

Em Lisboa, o site Slotcar Memorial Portugal de Fernando Pontes, menciona a existência de várias pistas em actividade nas décadas de 1960 e 1970.

Pista do “Jardim Cinema”, Avenida Álvares Cabral, 33-37

O edifício onde funcionava esta pista ainda pode ser visto num imóvel classificado de “interesse público” desde 2002 pelo IGESPAR e construído em 1930. O edifício é obra do arquitecto Raúl Martins e de estilo modernista com uma fachada de estilo Art-Déco.

Era no seu interior, na zona do salão de jogos “Monumental” (em homenagem à “esplanada Monumental”, um cinema inaugurado, em 1931, e renomeado “Jardim Cinema”, em 1933) que, no piso térreo, enquadrada num grupo de plataformas e escadarias de grande riqueza especial se encontrava a pista de slotcars.

A pista em si mesma era de apenas 2.5 amperes, mas incluía um contador automático de voltas e que desligava a pista assim que alguém chegasse às 40 voltas. Os carros não tinham travão mas não eram dos melhores que existiam ao dispor do público neste tipo de pistas.

Pista “O Circuito”, Av. Casal Ribeiro

Embora não exista muita informação sobre esta pista, seria uma das melhores pistas de Lisboa. O prédio estava perto da esquina com a Almirante Barroso mas já foi demolido.

Seria muito frequentada e situava-se no lado esquerdo de quem sobe a avenida. A pista estava instalada num nível intermédio antes de se chegar ao resto do salão de jogos (com mesas de bilhar e máquinas electrónicas), possuía uma grande recta e foi popular na década de 1960 induzindo, pelo seu sucesso, à multiplicação de pistas de slotcars na década seguinte.

Dado que era muito frequentada, usava-se os melhores materiais e haveria, até, corridas em que se faziam apostas a dinheiro (segundo as fontes de Fernando Pontes).

Em 1966 fez-se aqui uma corrida de 24 horas em que o prémio ao vencedor era um automóvel. A pista terá estado activa até começos da década, mas não foi possível apurar o local exacto onde funcionaria.

Pista “As Mil Milhas”, Rua Augusto Gil, 29B

Esta terá sido a pista que, na década de 1970, visitei com o meu pai e onde me lembro de ver um grande número de homens de meia idade competindo nos seus carros numa pista com uma grande quantidade de fendas/slots.

E de facto, Fernando Pontes refere que tinha uma grande recta coexistindo no mesmo local três pistas tendo uma delas uns impressionantes 105 metros de extensão e o “luxo” de cadeiras giratórias para os pilotos (disto não me lembro: só de os ver em pé).

Esta pista funcionava na cave (que ocupava por inteiro) e esteve activa desde a década de 1960 (talvez desde 1965) até à década de 1970. Esta pista também foi conhecida como “Mini Pista 2001”.

Pista de Luís Bragança, atrás do CACO Clube Campo de Ourique na Tv. Cabo

Esta começou a funcionar pouco depois do Jardim Cinema ter removido a sua pista. Não seria das melhores pistas de Lisboa, em termos técnicos e humidade e provavelmente por essa razão não esteve muito tempo em operação.

Pista de João Completo, Av. Uruguai

Activa nos anos 1980, funcionava numa cave particular de um aficcionado de nome João Completo. A pista era construída de madeira e mantida pelo proprietário e pelos seus amigos.

Slotcar do Uruguai, na página de SlotcarMemorialPortugal

Pista de Madeira, Largo do Calvário

Esta pista funcionava na cave do “Café Golo”, em Alcântara, e terá aberto em meados da década de 1960 e funcionava ainda na década de 1970. A pista funcionava na meia cave.

Inicialmente tinha o formato de um oito, mas posteriormente foi alterada. No total, teria uns vinte metros de extensão e seis pistas. No mesmo local, actualmente, encontramos um supermercado da rede Minipreço.

Pista da Promotora, Largo das Fontaínhas

Esta segunda pista em Alcântara funcionava em 1965/66 no primeiro andar da Sociedade Promotora de Educação Popular. A entrada fazia-se através de uma porta no Largo das Fontaínhas.

Esta pista era bastante extensa, possivelmente até da mesma extensão da do “Jardim Cinema”.

Pista do Café Londres, Praça de Londres

Esta pista era das mais frequentadas em Lisboa durante a década de 1970 e situava-se no r/c do edifício de 1952 do arquitecto Cassiano Branco onde hoje está uma das filiais mais filmadas do novobanco.

O “Café Londres” pertencia a um dos sócios da “Pastelaria Capri” (no nº4 da Av de Roma: em frente à pastelaria Roma) e abriria as portas em 1954.

A pista encontrava-se na cave onde também funcionavam algumas mesas de bilhar. Em características assemelhava-se à do “Jardim Cinema”, mas com rectas maiores.

Pista do Paladium, Av da Liberdade

Situada no edifício do Café e Salão de Chá “Palladium”, localizado na Avenida da Liberdade, 1, mesmo ao lado do “Elevador da Glória”, do arquitecto Manuel Joaquim Norte Júnior (1878-1962) aqui, num café existiria uma pista no 1º andar junto a mesas de bilhar e snooker.

Pista “MiniAutorama”, Rua António Pedro

Situada em Arroios esta pista foi aberta na década de 1960 e não terá sobrevivido até à década de 1970.

Pista da Feira Popular, Av. da República

Desta pista também tenho uma memória, mas mais difusa do que as da zona do Areeiro. Recordo-me de que era mais pequena que as outras duas. Segundo Fernando Pontes, os veículos eram conduzidos por volantes, mas os carros eram próprios e os aficcionados não podiam levar os seus próprios carros.

Pista da Loja “Papai Noel”, Av João XXI

Segundo moradores, funcionaria aqui na década de 1960 uma pista de slotcars. Conseguia-se ver esta pista da janela da cave que ficava junto ao piso da avenida.

Se alguém se lembrar de algo mais: Convido-o a enviar uma mensagem para ruipppmartins@gmail.com para que possa reforçar as minhas memórias e preservar as suas!


*Rui Martins nasceu em Lisboa, numa Rua da Penha de França, num edifício com uma das portas Arte Nova mais originais de Lisboa. Um ano depois já tinha migrado (como tantos outros alfacinhas) para a periferia. Regressou há 18 anos. Trabalha como informático. Está ativo em várias associações e movimentos de cidadania local (sobretudo na rede de “Vizinhos em Lisboa”).

Entre na conversa

2 Comentários

  1. Fui um grande aficionado, dos slots, tinha 2 carros da scalextric, em permanência na pista do café “ o Golo”, onde também jogava bilhar as 3 tabelas, corri na maioria das pistas que referes no artigo. Bons tempos

  2. Boa! Eu infelizmente só os vi ao longe… mas ficou-me para sempre na memória

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.