Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

“I’ve never dived so deep, I really like it, I’m always testing my limits”. A frase de engate ouvia-a na esplanada de um café na Graça, o bairro onde ouvir falar português é coisa rara (até os bolos mudaram de nome, são todos ‘that one’).

Na noite anterior, enquanto jantava às sete e meia (mais sangria que espetada porque mais quarenta do que trinta), ouvi o que há tanto tempo não ouvia.

De onde és e o que é que tu fazes?, mas frente a frente, sem aplicações digitais mentirosas. Foi como ver atores da telenovela na rua. Ela, estrangeira, nariz de grega, mas provavelmente alemã, ele, português, o nariz não sei, mas certamente alguém que diz “trabalho em IT”.

Era como uma entrevista de emprego, mas com uma promessa infalível. Género “Hoje Estarás Comigo no Paraíso” (é sobre morte, eu sei, mas gosto do título), ou num Airbnb; hoje recomeça o mundo, sabias? Será que nos lembraremos de quando tudo recomeçou? E por onde foi?

Eu sei. Foi pelo amor a voltar às ruas, isto que nos faz a todos mortais, queremos rua, mas na verdade queremos gente, há pessoas a cair de amor mesmo ao meu lado.

Só ouço frases doces, primeiras apresentações, cabelos em tiques nervosos a saltarem para trás da orelha, olhos assim escuros, mesmo que sejam verdes ou azuis, aprofundados por uma esperança qualquer.

Há uma alavanca invisível que nos atira para uma cadeira de uma esplanada na Graça com uma desconhecida à frente e damos por nós a descrever-nos como Golias.

Depois do quarto escuro que foi a pandemia (if you’re so funny then why are you on your own tonight?, cantam os Smiths) tudo nos parece ridículo.

E como não, se ainda agora começou esta longa Primavera?


Paula Freitas Ferreira

Nasceu em Moçambique e viveu em muitas cidades até chegar a casa, Lisboa. Acredita que os lugares são impossíveis de contar sem ouvir as pessoas e as suas histórias. É jornalista desde o ano 2000 e passou pelas redações do 24horas, Sábado e Diário de Notícias. Colaborou com a Notícias Magazine e escreveu três livros.

Entre na conversa

3 Comentários

  1. Será que alguém também “engatou” utilizando Smiths?

    …Upon the sand, upon the bay
    “There is a quick and easy way” you say
    Before you illustrate
    I’d rather state:
    “I’m not the man you think I am
    I’m not the man you think I am”…

    Smiths
    Pretty Girls Make Graves

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.