Diz o ditado que o sol quando nasce é para todos, mas o mar não o era. Isso está a mudar e, no mar de Carcavelos, já ninguém é deixado em terra. Faça chuva ou faça sol, todos os dias há um grupo de jovens e adultos do Clube de Desporto Adaptado de Carcavelos, em Cascais, que veste camisolas florescentes e segue areal ou mar dentro. Têm em comum viverem com deficiências físicas ou cognitivas e a vontade de não fazer com que esta condição trave as suas vidas.

Desde a aventura de desbravar mar em cima de uma prancha de surf até simples passeios à beira-mar, a ANITA (Associação Nacional de Intervenção no Transporte e Autonomia) escolheu como missão dar estas experiências a quem pensou que viveria toda a vida sem as ter, por conta da deficiência que carregam.

“As pessoas, nem que seja por molhar os pés, já é surf adaptado, já é uma coisa que eles nunca fazem. Não vêm à praia. Nós quando estamos com as pessoas com deficiência temos noção que elas estão sempre enclausuradas em casa”, diz Leonor Pereira, responsável por esta IPSS.

Leonor Pereira é a responsável pela ANITA. Foto : Carlos Menezes

Rui prova que a ideia de o pôr em confronto com o mar, em vez de o deixar entre as quatro paredes de uma casa, está mesmo a mudar-lhe a vida, tão marcada pelo autismo. “Se gosto de vir cá? Adoro. É muito fixe. Cinco estrelas. Sinto-me bem, sou feliz”, desabafa.

O clube, fundado oficialmente em junho de 2021, conta com uma equipa de voluntários, na sua maioria menores de idade, que auxiliam Leonor na execução de todas as atividades aquáticas. Como Mariana, de apenas 15 anos. Graças à mãe Leonor, Mariana lida desde cedo com pessoas com diferentes tipos de deficiências. “Estou há muitos anos com a minha mãe e ela está sempre a ajudar. Só que apercebi-me que na água é um pouco mais difícil, porque temos que controlar mais do que em terra.”

Não foi surpreendente para Mauro Ramos, de 45 anos. Ele que chegou a Portugal vindo do Brasil, com um simples objetivo: encontrar “um trabalho que fosse mais gratificante”. É instrutor de surf desde há três meses neste clube e estava habituado a lidar com a deficiência motora do primo. Juntou o mar à missão que nasceu em família, por acreditar no poder transformador das ondas.

“Você vê os sorrisos, vê as pessoas a ir embora felizes depois de um dia na praia, um dia no oceano, nessas atividades. Crianças, pessoas de todas as idades, com diversos tipos de deficiência, como pessoas cegas, ou com problemas de locomoção. Então, sabendo que todos eles têm acesso ao mar e você consegue ajudá-los nisso, é muito gratificante”, enfatiza.

Mauro é o instrutor de surf. Foto : Carlos Menezes

🎧 Ouça a reportagem completa aqui:

Esta reportagem faz parte da “Mensagem Rádio”, um programa que passa quinzenalmente na RDP África (do grupo RTP), à terça e sexta-feira, e em permanência: no site da Mensagem, em rdpafrica.rtp.pt e no Spotify.

Ficha Técnica
Voz: Tomás Delfim
Edição: Tomás Delfim e Catarina Reis
Produção: Catarina Reis (Mensagem de Lisboa) e Isabel Leonor (RDP África)


O jornalismo que a Mensagem de Lisboa faz une comunidades,
conta histórias que ninguém conta e muda vidas.
Dantes pagava-se com publicidade,
mas isso agora é terreno das grandes plataformas.
Se gosta do que fazemos e acha que é importante,
se quer fazer parte desta comunidade cada vez maior,
apoie-nos com a sua contribuição:

A paixão pelo jornalismo aflorou apenas durante a própria licenciatura em jornalismo, mas, como se costuma dizer, mais vale tarde que nunca. Entrou para a Mensagem com a missão de praticar o jornalismo...

Entre na conversa

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *