Comprar casa ou arrendar
Ilustração: Nuno Saraiva

Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Quem nunca, após começar a ter rendimento regular, vivenciou este debate interno, familiar ou com os amigos. As opções são simples: comprar, arrendar ou construir casa.

Cada uma destas possibilidades obriga à análise de vantagens e inconvenientes. Nada como colocar todos os argumentos nos pratos da balança e pesar cuidadosamente o futuro.

Construir casa ou optar pela autoconstrução

É certo que este é um processo moroso, pelo que necessitará de tempo e, sobretudo, de uma forte dose de paciência.

Se é o feliz herdeiro de um terreno ou não precisa da casa a curto prazo, a opção pela (auto) construção poderá ser vantajosa, pois o custo será certamente mais reduzido do que comprar a casa já construída.

Acresce que esta decisão levá-lo-á, quase por certo, para cenários bucólicos. Terrenos por aqui serão algo como agulha no palheiro. Este argumento colhe vantagens e desvantagens, dependendo do perfil do consumidor: “nem pensar em sair do centro de Lisboa”; “adoro viver nos arredores, sinto-me na província”….

Comprar casa

Rápido, fácil, todavia muito longe de dar milhões! Se não tem poupanças suficientes a opção pela compra de casa, mesmo recorrendo a crédito, poderá também não ser viável. Isto porque necessitará de dar uma entrada de, pelo menos, 10% do valor do imóvel, já que atualmente os bancos não financiam a totalidade do valor.

Procurar apoio na família é uma solução comum e deverá ser também colocada na tal balança.

Arrendar casa

Ora, esta opção, para além de ser mais um processo mais simples, acarreta menor responsabilidade. Questões muito práticas como as despesas de manutenção do edifício, o pagamento do IMI ou do condomínio ficarão a cargo do proprietário/senhorio.

Comprar casa e aumentar o património familiar ou arrendar são efectivamente uma decisão que terá de tomar, não de ânimo leve, mas fundamentadamente e procurando reduzir ao máximo eventuais riscos futuros.

Fatores de peso

Deve ponderar cuidadosamente fatores como a idade, a estabilidade/mobilidade no emprego, rendimento, garantias, entre outras.

Informação, análise, reflexão e muitas contas fazem parte deste caminho. Será difícil, mas imprescindível percorrer este percurso. A DECO pode apoiar! Sempre consigo!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.