Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

A Mensagem nasceu com um compromisso: ouvir os lisboetas. E foi isso que fizemos, esta semana. Decorreu a reunião virtual com os nossos leitores – tal como vai acontecer todos os meses, na primeira quarta-feira.

Uma das salas do encontro virtual.

Na reunião desta semana falou-se de vários temas que interessam à cidade, da mobilidade à questão de grande atualidade relacionada com os Sem Abrigo. Houve também sugestões de histórias, que iremos contando na nossa página.

No mês de maio esperamos que o encontro seja um pouco diferente. Vamos tentar que haja lugares reais, na esplanada da Brasileira – para a nossa reunião aberta. Se as regras sanitárias não nos permitirem, voltamos ao puro zoom. A reunião será no dia 5 de maio, podem já marcar na vossa agenda. Em breve passaremos o formato de inscrição.

Na Mensagem estamos também apostados em conhecer aquelas partes da cidade que os leitores conhecem melhor que nós. E são muitas – por isso estamos também abertos a convites de grupos de vizinhos e movimentos locais que nos queiram convidar para fazer um “Conselho de Vizinhos” – uma reunião, real ou virtual, nas vossas fregeuesias, nos vossos bairros.

Agora que as regras já permitem, estamos mais livres para andar mais um pouco na cidade, e falar convosco. Mandem as vossas sugestões – entraremos em contacto de seguida.

Entre na conversa

2 Comentários

  1. No mês passado, não consegui entrar, apesar dos meus esforços. A realidade que quero transmitir é a situação de abandono de bairros camarários e de edifícios não camarários da minha freguesia que levam a situações que lesam a saúde pública e que a CML não resolve apesar dos esforços dos moradores.

  2. É não um comentário, mas uma sugestão/desafio à AIP.
    Em anos recentes foram construídas duas passagens áreas com rampa para peões na zona de Belém, junto ao Maat/Museu da Electricidade e ao Museu dos Coches, facilitando o acesso à zona ribeirinha.
    A poucos metros destas, junto à antiga FIL, em Alcântara, existe outra passagem, mas sem rampa. Seria um gesto simpático se a AIP se dispusesse a “completar” a obra acrescentando-lhe uma rampa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.