Receba a nossa newsletter com as histórias de Lisboa 🙂

Foto: Rita Ansone.

É um ícone da capital. O mítico “Amarelo 28” atravessa os bairros típicos, mostra a alma alfacinha e dá a conhecer a Lisboa antiga. O jogo, lançado no Museu da Carris, pretende pôr os lisboetas, e os que não o são, atrás do volante de um dos mais emblemáticos elétricos da cidade.

Criado por Pedro Santos Silva e ilustrado por André Fernandes Trindade, desafia os jogadores a conduzir o elétrico pelas ruas e a ganhar pontos, enquanto viajam pelo centro histórico, num jogo de tabuleiro.

A primeira carreira do elétrico 28 ligava o Cais do Sodré a Algés e nasceu em 1901. Foto: Rita Ansone

De nove em nove minutos, passa o elétrico 28 pelos bairros lisboetas repletos de história. Foi em 1901 que a primeira linha entrou em funcionamento, transportando os alfacinhas do Cais do Sodré até Algés.

O veículo de madeira , importado dos Estados Unidos, veio substituir as antigas carruagens puxadas a cavalo que eram o principal meio de transporte na época. Só em 1914 é que foi inaugurado o “Amarelo”, como é carinhosamente chamado, e ao longo do tempo foi sofrendo algumas alterações no seu percurso. Hoje, a viagem sobre carris passa pelas subidas e descidas das ruas entre o Martim Moniz e os Prazeres, em Campo de Ourique.

Agora, e sem filas de espera, famílias e amigos podem juntar-se à volta de um tabuleiro e passear pela cidade das sete colinas. Nas várias mesas espalhadas numa das salas do Museu da Carris, miúdos e graúdos preparavam-se para conduzir o elétrico, num tabuleiro ilustrado com as ruas de Lisboa e as respetivas paragens.

Pedro Santos Silva é o criador do jogo inspirado no 28. O percurso do elétrico encaixava-se perfeitamente na mecânica do jogo e ao mesmo tempo permitiu homenagear um dos símbolos de Lisboa. Foto: Rita Ansone

O criador Pedro Santos Silva quis criar um jogo que “envolvesse toda a família e em que todos tivessem uma participação ativa”. E assim o fez, durante dois anos e meio de testagens até chegar ao produto final. Só após desenvolver a mecânica do jogo é que o elétrico 28 se afigurou como tema, numa espécie de momento eureka, que permitiu fazer “um tributo a um símbolo importante de Lisboa”, que se encaixava na perfeição no “sentimento e nas mecânicas” do jogo.

“A ideia do jogo é a soma das partes”, explica o seu criador. Pensado para 2 a 4 pessoas, os jogadores fazem o percurso a partir das cartas Monumentos e Pontos Vitória que dão o poder de dirigir o elétrico, recolher os passageiros e, ao mesmo tempo, visitar os 18 monumentos históricos, o que leva à obtenção das respetivas cartas. No final da partida, que se faz numa hora, ganha quem tiver mais Pontos Vitória.

Apesar da “grande paixão por videojogos” e de um mestrado na área, Pedro Santos Silva trocou o computador pelos jogos de tabuleiro há mais de 10 anos. Para além deste mais recente jogo, tem outros três pensados, ainda à procura de uma editora.

Entusiasta e criador de jogos de tabuleiro, Gil D’Orey fundou em 2010 a MEBO Games, que tem editado uma série de jogos com temáticas ligadas a Portugal e à sua história e cultura. Foto: Rita Ansone

Gil D’Orey, entusiasta de jogos de tabuleiro desde criança e fundador da MEBO Games, apadrinhou o Amarelo 28, que vem juntar-se a um portefólio cheio de jogos de tabuleiro inspirados em símbolos nacionais. Tendo a sua editora como objetivo criar para “um público que não está muito envolvido com jogos desta natureza”, têm apostado na criação para toda a família e em temas relacionados com Portugal (Estoril 1942, Castelo S. Jorge, Caravelas) com o objetivo de aproximar o público-alvo português dos jogo de tabuleiro.

Fundada em 2010, a MEBO Games lançou, só no último ano, 20 novos jogos de tabuleiro e já marca presença no mercado internacional. O novo jogo foi divulgado numa versão multilíngue e vai ser apresentado na feira de jogos SPIEL’ 21, em Essen, Alemanha, no dia 14 a 17 de outubro.

“É um desafio intelectual” tanto para as crianças como para os adultos, diz Gil D’Orey, que lamenta que as pessoas não invistam em jogos de estratégia de três horas e continuem a consumir conteúdos de entretenimento de “quinze segundos”.

O mercado de jogos de tabuleiro está em expansão, mas o fundador da MEBO Games acredita que ainda é preciso “educar a malta para a realidade destes jogos mais modernos. Existe muito mais para além do Monopólio”.


Nascida em Braga, Júlia Mariana Tavares fez de Lisboa casa, com vontade de contar histórias desta cidade cosmopolita e multicultural. Finalista de Ciências da Comunicação da Faculade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa, está a estagiar na Mensagem de Lisboa. Texto editado por Catarina Pires.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.